Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Mensagem do governo Bolsonaro sobre Educação é ‘evasiva’

Especialistas ouvidos pela NOVA ESCOLA afirmam que falta clareza em documento “Mensagem ao Congresso”

POR:
Flavia Nogueira
Sala de aula vazia com carteiras e cadeiras amontoadas em frente a uma janela com luz indireta
Foto: Getty Images

Genérico e enigmático, apenas manifestações de intenções e ainda sem clareza sobre possíveis mudanças. Foi desta forma que especialistas consultados pela NOVA ESCOLA classificaram o documento entregue pelo governo de Jair Bolsonaro no início da semana, o “Mensagem ao Congresso”.

No documento de 256 páginas em que aponta as principais ações estratégicas que pretende abordar em todos os setores, o governo reservou 10 páginas para falar sobre Educação.

A maior parte do texto descreve as ações governamentais da Educação, como atribuições da União no regime de colaboração com estados e municípios, as responsabilidades de órgãos como o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e as avaliações.

O documento não fez nenhuma menção a um ponto importante, como o Plano Nacional de Educação (PNE). A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), segundo o texto, será objeto de “apreciação”.

LEIA MAIS  “Vivi o Estado Novo e passei pela ditadura, mas nunca vi um período tão assustador como este na Educação”

E, ainda sem entrar em detalhes, o governo de Jair Bolsonaro também fala sobre Educação Integral e reforma do Ensino Médio.

“Com relação às políticas de educação infantil, ampliação da oferta de educação em tempo integral e à reforma do ensino médio, é importante observar que os programas implementados pelo Governo Federal serão objeto de avaliações, pautadas em evidências, visando ao seu aprimoramento.”

Segundo a professora Mônica Gardelli Franco, diretora-executiva do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), ainda é muito difícil fazer qualquer tipo de afirmação com base nas declarações do governo, “já que elas foram apenas manifestações de intenções e não se tratam propriamente de anúncio ou de propostas concretas para as políticas de Educação Integral”.

No entanto, para ela, “toda e qualquer política educacional deve estar constantemente sujeita a avaliação e revisão, e é natural que esses processos se intensifiquem após uma troca de governo”.

“O que preocupa é saber em que bases serão feitos. O discurso das evidências não pode ser da boca para fora, ele precisa encontrar sustentação no rigor técnico-científico e na independência dos processos avaliativos. Também é importante que os sujeitos impactados pelas políticas de Educação Integral sejam ouvidos – estudantes, pais, profissionais da educação, gestores públicos, pesquisadores e a sociedade civil organizada – sob pena de se descontinuar políticas públicas que vinham tendo impacto positivo apenas por decisões político-ideológicas do governo de momento e de se deixar crianças, adolescentes e jovens desatendidos.”

LEIA MAIS   Os desafios da Educação brasileira em 2019: linhas e cores

Mônica afirma que, além de boas avaliações, um dos grandes desafios para a educação pública avançar no país tem sido a continuidade de ações e programas quando há uma mudança de governo.

“Isso não é um problema de hoje, mas é sintomático que o documento apresentado pelo novo governo sequer cite o Plano Nacional de Educação (PNE), que estabeleceu metas e estratégias para a Educação do país até 2024, num plano de Estado que visa superar a fragmentação e descontinuidade de políticas de Educação de cada governo. Uma boa avaliação de políticas de Educação, além de sua independência e rigor técnico, precisa colaborar para o cumprimento de metas da área e elas estão estabelecidas no PNE”, acrescenta. 

Longo caminho

Segundo Mônica ainda há um longo caminho a percorrer para a implementação do Ensino em Tempo Integral no país, pois os dados preliminares do Censo Escolar 2018 apontam que o país ainda está muito longe das metas do Plano Nacional de Educação para 2024. Uma das metas do PNE prevê que 50% das escolas públicas da Educação Básica sejam em tempo integral naquele ano.

“Houve ampliação no percentual de matrículas de Tempo Integral no Ensino Médio de 7,9% em 2017 para 9,5% em 2018 e é possível inferir que parte desse resultado seja fruto do programa de Fomento ao Ensino Médio em Tempo Integral. Por outro lado, ainda segundo o Censo, o Ensino Fundamental apresentou forte queda no percentual de matrículas em Tempo Integral entre 2017 e 2018, de 13,9% para 9,4% do total de matrículas. Mantidas essas oscilações, não alcançaremos 50% de matrículas em Tempo Integral até 2024”, diz Mônica.

LEIA MAIS  O que muda na estrutura do Ministério da Educação

De acordo com a professora, “ainda não há clareza sobre possíveis mudanças nas políticas de Educação Integral, mas os dados evidenciam que é preciso fortalecer a capacidade de estados e municípios darem continuidade a suas políticas de Educação Integral”.

Natacha Costa, diretora-executiva da Cidade Escola Aprendiz, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que promove experiências e políticas públicas orientadas por uma perspectiva integral da Educação, concorda que “ainda é muito difícil prever qual será o destino da Educação Integral na gestão do presidente Bolsonaro”.

“Não há muita clareza até aqui de qual exatamente é a proposta do MEC em relação ao tema. O documento entregue ao Congresso pelo presidente aponta que as políticas implementadas até aqui serão avaliadas, mas não esclarece de que forma e nem quando esta avaliação acontecerá”, diz.

A diretora-executiva da Cidade Escola Aprendiz também aponta a descontinuidade das políticas públicas em Educação como um problema grave e crônico no Brasil.

“Por isso, a ausência de um projeto claro de governo atual para a Educação no país, associado ao desmonte ou paralisação de estruturas e políticas que já estavam em processo de implementação é um sinal preocupante.” 

'Evasivo' 

“Ele avançou um pouco mais (em relação ao plano de governo), está um pouco mais organizado, do ponto de vista da explicitação, avançaram. Porém, ao fazê-lo, revelam elementos que continuam preocupantes: não tem uma apreciação do Plano Nacional de Educação (PNE), nenhuma menção”, afirma Ocimar Alavarse, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

O professor qualifica o documento apresentado de genérico, enigmático e acrescenta que ele “chega a ser evasivo”. Ocimar afirma ainda que ocorreu uma omissão em relação ao PNE.

“Se eu fosse o governo, iria pegar o Plano Nacional de Educação, estratégia por estratégia, e falaria: ‘me comprometo com isso, vou rever isso, isso aqui já foi cumprido, isso é impossível’. Ou então falaria: ‘vamos revogar’.”

O professor afirma que o PNE tem uma importância tão grande porque nele estão delineados “uma série de detalhamentos da Educação escolar brasileira. Da Educação Infantil até a pós-graduação. Teve um esforço empreendido na nação com todas as forças políticas representadas no Congresso para construir um plano. O Brasil, representado politicamente, disse onde nós queremos chegar com a Educação escolar”.

Uma hipótese levantada por Ocimar para que este documento não tenha citado o PNE ou fornecido informações mais claras é de que as pessoas que se ocupam da Educação no governo atual ainda não tenham a vivência sobre o aspecto da política educacional.

“Podem ser professores e, como qualquer professor, têm uma experiência muito específica. Mas isso não necessariamente faz com que alguém olhe para a política mais geral, a própria política educacional.”

O professor lembra que, conforme o ministério, é necessário maior conhecimento gerencial e de como funciona a máquina administrativa e este é o caso do Ministério da Educação.

“Então, algum tipo de capacidade gerencial relativa à Educação é necessária e, até onde pude apurar, essas pessoas que hoje dirigem a Educação no Brasil, do ponto de vista do Governo Federal, não têm estas credenciais. Por isso, elas, quando muito, conseguem falar essas coisas tão genéricas quanto distantes da realidade. Aguardemos”.

 

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias