Veja o que muda para o ensino de Arte com a BNCC

Entenda os principais conceitos para o componente e como dar aulas alinhadas à Base

POR:
NOVA ESCOLA



A Base Nacional Comum torna os alunos os protagonistas do processo no ensino de Arte. No dia a dia, eles podem não só ajudar a definir os temas a serem tratados, mas devem sentirem-se mais livres para criar, dando vazão à sensibilidade de maneira mais plena, com a observação e incentivo do professor. Com esses conceitos, a maneira de planejar as aulas e avaliações deve passar por transformações. NOVA ESCOLA cria um guia com os principais pontos da Base para o componente que ajudar professores e gestores na implementação e na aplicação da Base. Com a consultoria de Alexandra Contocani, professora de Arte do Colégio São Domingos e sócia-fundadora e atelierista do Ateliê Móvel, o conteúdo traz entrevistas e dicas de outros especialistas, como Marisa Szpigel, formadora e professora de Artes na Escola da Vila.

 Acesse todo o conteúdo da BNCC na Prática para Arte aqui

Veja três dos principais pontos abordados pela Base no guia:

 Base incorpora as Artes Integradas como unidade temática
Além da Música, Teatro, Dança e Artes Visuais, as Artes Integradas foram incluídas. A ideia é que os alunos explorem as relações entre as diferentes linguagens e suas práticas.

 BNCC coloca o aluno como protagonista
O artista plástico e educador Carlos Barmak, coordenador do educativo do Museu da Casa Brasileira, afirma que o professor nem sempre deve direcionar, ou seja, lançar um tema sobre o qual as crianças devam refletir e pesquisar, até que elas mesmas sejam capazes de construir suas próprias produções.

 No ensino do Componente, há seis dimensões do conhecimento 
Criação, Crítica, Fruição, Estesia, Expressão e Reflexão: as três últimas são novidades da Base.