A chave é o aprendizado

Muito além de administrar a burocracia, o que se espera dos gestores hoje é criar condições para que os alunos avancem

POR:
Thais Gurgel

Durante muito tempo, dizia-se que a função do diretor era administrar a burocracia. Felizmente, isso está mudando. Há alguns anos vem ganhando força a idéia de que a principal tarefa é fazer o que se convencionou chamar de gestão da aprendizagem. Ou seja, o que realmente importa é resgatar a função primordial da escola: garantir a criação de um ambiente agradável em que todos os alunos (sem exceção) consigam avançar. Essa é uma das conclusões de uma enquete realizada em parceria entre a Fundação Victor Civita e o Ministério da Educação (MEC). Durante os meses de maio e junho, duas perguntas foram apresentadas no site do Programa de Formação de Gestores, do MEC:

"Considerando sua experiência como gestor, que temas você considera essenciais que o administrador escolar domine para ter sucesso em seu trabalho?"
"Com base em sua vivência como gestor, cite os principais desafios enfrentados atualmente pelos dirigentes escolares."

As mais de 3.500 respostas mostram (como se pode ver no quadro abaixo) que a maioria dos diretores brasileiros tem consciência de que seu trabalho é muito mais que só cuidar de aspectos legais e atender às demandas burocráticas. Gerenciar a equipe de professores e funcionários (saber ouvir, articular, respeitar, formar e gerenciar equipes etc.), administrar os recursos financeiros, motivar e mobilizar a equipe e atuar como um verdadeiro líder, com planejamento, estratégia, ética e transparência, são as principais habilidades apontadas pelos internautas que responderam à enquete. 

Com a palavra, os gestores: como é hoje e como deveria ser

Mais de 3.500 diretores participaram da enquete feita em parceria entre a Fundação Victor Civita e o Ministério da Educação sobre a realidade do trabalho nas escolas. Confira as respostas:

A principal habilidade necessária
43% Gestão de pessoas
21% Gestão de recursos financeiros
19% Domínio da legislação
17% Gestão administrativa
11% Liderança
10% Capacidade de motivar e mobilizar
9% Planejamento e estratégia
8% Ética e transparência

O maior desafio a ser enfrentado
26% Desmotivação do corpo docente
22% Falta de envolvimento da família
14% Deficiência na formação dos professores
14% Escassez de recursos financeiros
14% Gestão de recursos humanos*
13% Indisciplina dos alunos
12% Desmotivação/desinteresse dos alunos
11% Violência 


* FALTA DE PESSOAL, AUSÊNCIAS, LICENÇAS ETC.
FONTE: PESQUISA REALIZADA PELO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES DO MEC, VIA SITE, COM RESPOSTAS ABERTAS (A SOMA ULTRAPASSA OS 100%)
 


No entanto, os próprios gestores afirmam que isso está longe da realidade. Embora o sucesso das relações interpessoais seja uma das chaves para o sucesso da escola, a desmotivação do corpo docente, as deficiências na formação dos professores e a falta de envolvimento das famílias aparecem no topo dos problemas enfrentados no dia-a-dia. Da mesma forma, poucos deram importância à necessidade de conhecer a comunidade e ao foco no resultado dos estudantes.

"Isso pode indicar que os gestores ainda não se sentem co-responsáveis pelos indicadores de aprendizagem dos alunos", afirma Maria Maura Barbosa, coordenadora pedagógica da formação de gestores escolares do Centro de Educação e Documentação para Ação Comunitária (Cedac). "E é esse distanciamento que não o deixa sentir-se parte do mau resultado apresentado pelas crianças nos testes de avaliação no Brasil inteiro. É preciso que as questões ligadas a repetência e evasão passem para o primeiro lugar das preocupações."

De fato, não dá para imaginar que os baixíssimos indicadores revelados pelas provas nacionais e internacionais sejam de responsabilidade exclusiva dos professores ou (pior ainda) dos próprios alunos. Por isso, e para ajudar os diretores a aperfeiçoar seu trabalho no dia-a-dia, NOVA ESCOLA lança no dia 13 deste mês uma edição especial inteiramente dedicada ao tema. A publicação vai mostrar as novas estratégias de ação e as boas práticas que estão mudando para melhor nossas escolas - sobretudo nas redes públicas. 

"Apagar incêndios" 

"Ainda há muito a avançar até que todos não só se convençam de que o mais importante é a gestão da aprendizagem, mas passem a fazer isso de forma articulada", diz Roberta Panico, formadora de gestores. "Nos cursos que ministramos Brasil afora, vemos claramente que, sem esse olhar, fica fácil cair na armadilha de gastar o tempo 'apagando incêndios' e se ocupando com a burocracia. O que tentamos ensinar durante o programa é que a escola deve passar de 'local em que se ensina' para 'organização que busca estratégias a fim de promover o aprendizado'." 

Para que isso ocorra, é preciso criar instrumentos para um projeto pedagógico que atenda às necessidades da comunidade e envolva funcionários e professores, além de pais e alunos, em sua elaboração. O passo seguinte é colocá-lo em prática dia após dia - e revê-lo sempre que necessário. "A leitura que a direção e o corpo docente fazem da comunidade interna e externa influencia diretamente na forma como a escola funciona", declara Maura. "Mas, quando existem metas claras de ensino, compartilhadas por todos, cria-se um verdadeiro grupo de trabalho, movido por interesses comuns."

Na proposta pedagógica, é preciso levar em conta também os espaços físicos disponíveis e os valores implícitos nas relações interpessoais. "Não é só o professor que ensina. O jeito como os funcionários interagem com os estudantes e os professores e a forma de usar as áreas de convívio devem ser pensados sob um filtro pedagógico, pois, se falamos tanto em formar cidadãos, o primeiro passo é permitir que todos vivenciem a cidadania enquanto freqüentam a escola."

Outro desafio importante a ser enfrentado é a baixa qualidade da formação inicial dos professores. A questão, segundo os especialistas, deve ser encarada como parte do projeto pedagógico. "Ninguém precisa chegar à escola pronto para lecionar", diz Maura. "Cabe também ao gestor promover uma formação continuada de qualidade, após identificar as necessidades existentes para desempenhar as propostas estabelecidas pelo próprio grupo."

Quer saber mais? 

CONTATOS
Maria Maura Barbosa
Roberta Panico


BIBLIOGRAFIA
Escola Reflexiva e Nova Racionalidade,
Isabel Alarcão (org.), 144 págs, Ed. Artmed, tel. (51) 3027-7000, 36 reais 

Ética e Competência, Terezinha Azeredo Rios, 88 págs, Ed. Cortez, tel. (11) 3611-9616, 15 reais 

NOVA ESCOLA Gestão Escolar, edição especial à venda nas bancas a partir de 13 de agosto, 5 reais

 

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias