Bate-bola sobre a Copa do Mundo na escola

O maior evento esportivo da Terra, que começa dia 9 de junho na Alemanha, é um excelente ponto de partida para contextualizar a magia do futebol em todas as disciplinas, de 1ª a 8ª série

POR:
Débora Didonê, NOVA ESCOLA, Paulo Araújo
Modelo caracterizado como Ronaldinho Gaúcho. Foto: Karine Basílio
Foto: Karine Basílio 
Bola oficial da copa 2006. Foto Karine Basilio

Em junho, nenhum assunto vai ser mais importante no Brasil do que a Copa do Mundo de futebol, que começa dia 9 na Alemanha. Não é para menos: estamos a caminho do hexa, título jamais alcançado por nenhuma seleção. Na escola, o evento costuma provocar uma alteração quase doentia no comportamento da garotada e de muitos professores - ninguém consegue falar de outra coisa.

Consciente dessa febre (e inspirado por seu colega argentino), o ministro da Educação, Fernando Haddad, sugeriu que as escolas públicas se organizem para montar a estrutura necessária para professores e alunos poderem acompanhar as partidas do Brasil durante o Mundial. "Tal atitude pode ser de grande utilidade para o ensino", declarou no mês passado. De fato, o melhor a fazer é explorar o torneio em toda sua dimensão educativa.

Nesta e nas próximas 12 páginas, você vai encontrar algumas sugestões de como fazer isso. A convite de NOVA ESCOLA, 11 professores de diversas regiões do Brasil criaram planos de aulas com dicas práticas para contextualizar o ensino e levar a Copa para dentro da sala de aula - explorando temas como a nova tecnologia utilizada na transmissão do sinal de TV, a Matemática presente nos campos, os termos nascidos nas competições de futebol que se tornaram comuns no nosso dia-a-dia, mais um panorama dos interesses econômicos envolvidos no evento, a produção artística contemporânea alemã e detalhes da história recente do país. Além disso, todos vão poder se divertir em jogos interativos que juntam em campo meninas, meninos e também alunos com deficiência.

Tudo começou na escola

O campo de futebol e a sala de aula podem parecer dois universos distintos, mas foi exatamente nos colégios da Inglaterra que as primeiras regras do esporte foram criadas, no século 19. No Brasil, os padres jesuítas do Colégio São Luís, em Itu (SP), já incentivavam a prática do ludopédio em 1880. "A escola foi a primeira instituição a perceber que o futebol tem uma ordem e uma disciplina peculiares. Por isso, sua prática contribui para a formação do cidadão", lembra Alcides Scaglia, da Universidade Estadual de Campinas.

Muitos aspectos da vida cotidiana podem ser explicados com base no jogo. "A ética - tema transversal importantíssimo - é o tópico mais apropriado para discutir com a turma neste momento", diz José Paulo Florezano, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Basta lembrar que o primeiro passo é acatar as regras. Craques como Ronaldinho Gaúcho, Kaká, Ronaldo e Robinho somam o talento pessoal e a dedicação a uma postura de companheirismo com relação aos outros membros de equipe, sem jamais humilhar ou agredir os adversários. Os atletas também devotam enorme respeito aos técnicos, tanto que costumam chamá-los de professor!

Nos estádios, porém, têm aflorado traços nada nobres do comportamento humano, como o racismo e a xenofobia (nas arquibancadas da Europa, torcedores já foram flagrados imitando sons de macacos e fazendo saudações fascistas, entre outras barbaridades). Segundo João Paulo Streapco, mestrando em História do Futebol na Universidade de São Paulo e professor de Ensino Médio na capital paulista, é saudável ressaltar em sala de aula a importância e o talento de atletas negros, como Leônidas da Silva, o Diamante Negro; Didi, o inventor da folha-seca; Garrincha, o Anjo das Pernas Tortas; e Pelé, eleito atleta do século 20 e aclamado por todos como simplesmente o Rei.

Nas últimas décadas, diversas áreas do conhecimento desenvolveram estudos para esquadrinhar a paixão do brasileiro por futebol e desvendar como ele ajuda a explicar nossa identidade como nação. Algumas dessas novidades estão nos planos de aula a seguir.

As taças que já levantamos

Copas do mundo conquistadas pelo Brasil. Fotos: Arquivo DEDOC/Editora Abril
Copas do mundo conquistadas pelo Brasil.

 

Estudar a Copa do Mundo...
  • Incentiva o debate sobre ética, respeito às diferenças e consumo.
  • Valoriza o companheirismo e o espírito de equipe em diversas atividades.
  • Permite compreender o futebol, um dos elementos mais marcantes da cultura brasileira, de forma interdisciplinar.

Quer saber mais?

BIBLIOGRAFIA

Futebol: o Espetáculo do Século, José Paulo Florezano (org.), 284 págs., Ed. Musa, tel. (21) 2516-2581, 39 reais
O Jogo Dentro e Fora da Escola, Silvana Venâncio e João Batista Freire (orgs.), 184 págs., Ed. Autores Associados, tel. (19) 3289-5930, 32 reais
O Negro no Futebol Brasileiro, Mario Rodrigues Filho, 344 págs., Ed. Mauad, tel. (21) 3479-7422, 45 reais

INTERNET

O site www.portalbrasil.net/regras_do_futebol.htm traz as 17 regras do futebol  

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias