Compartilhe:

Jornalismo

Oficina de escrita

Por

01/01/1970

Este plano de aula foi produzido pelo Time de Autores NOVA ESCOLA
Professor-autor: Jardelina Moura
Mentor: Edson Lanzoni
Especialista: Heloísa Jordão

Título da aula: Oficina de escrita

Ano:3º ano do Ensino Fundamental

Periodicidade:Quinzenal

Prática de linguagem priorizada: Escrita de textos (compartilhada e autônoma) Produção de textos/leitura e escuta

Dinâmica:

PARTE 1- Apresentação da proposta de escrita por meio de sorteio de elementos  para a produção de texto em diferentes urnas.

PARTE 2- Planejamento: definição  do gênero a ser produzido individualmente pelo aluno, considerando os interlocutores definidos, a linguagem e a estrutura do texto.

PARTE 3- Revisão do texto escrito, considerando os aspectos que devem ser aprimorados.

Habilidade(s) da BNCC: (EF03LP13)   (EF03LP17) (EF03LP19) (EF03LP20)   (EF03LP21)

Sobre esta aula: Esta é uma proposta de atividade permanente para trabalhar a modalidade escrita da língua. O campo de atuação priorizado nesta atividade: Todos os campos.

É importante destacar que a atividade permanente prevê dois tipos de sessão que ocorrem em semanas diferentes. Na primeira, com duração de 50 minutos, os alunos podem sortear os motivos da escrita, planejar e escrever. Na segunda, também com duração de 50 minutos, os alunos poderão ler os textos uns dos outros para apontar sugestões, validar ideias e aspectos considerados importantes por eles nas escritas. Neste contexto, o professor pode assumir a função de leitor do texto de uma sessão para a outra - sem, necessariamente, precisar fazer a correção - a fim de colocar foco em um ou dois pontos que as crianças devem observar, mais tarde, no momento de revisão da escrita.

 

Justificativa: A oficina de escrita, cuja finalidade é aprender a escrever escrevendo, focaliza a expressão verbal que tem como ponto de partida a vivência dos alunos e suas histórias particulares. Neste sentido, serão  apresentadas propostas de produção textual com foco nas escritas de si e de caráter confessional, a fim de que seja ampliada a capacidade do aluno de opinar sobre os temas propostos, considerando o seu olhar específico e a comunicação com o outro. Assim, ao interagir com situações de escrita, os alunos poderão, na prática, fazer uso do próprio repertório leitor, do conhecimento enciclopédico com maior propriedade, em confluência ou por embate da visão externa a sua. Desta maneira, alargarão as suas estratégias de produção textual, com base no diálogo com seus pares, aprendendo, de modo significativo, em diferentes situações de aprendizagem, acerca da modalidade escrita da língua.  

 

Materiais necessário:

Folha para produção textual. Lápis de cor, hidrocores, imagens diversas para recortes. Caixa de papelão

 

Dificuldades antecipadas:

Embora existam gêneros conhecidos de grande parte das crianças e muitas delas já tenham certa familiaridade com a leitura destes textos, a produção escrita é exigente sob muitos aspectos, já que implica autoria. Neste sentido, é possível que os alunos sintam dificuldade em organizar as ideias, sequenciar informações, em certos gêneros, estabelecer uma relação lógica entre as linguagens verbal e não verbal, elaborar diálogos coerentes com os propósitos da produção dos textos, considerando o assunto e interlocutores definidos. Além disso, como serão convidados a ampliar as suas capacidades de uso da modalidade escrita, associando-a aos recursos multimodais característicos dos gêneros, é possível que as situações de produção suscitem demandas bem específicas para a escrita dos textos e os alunos, nesses momentos, solicitem de modo significativo apoio do professor.




Referências sobre o assunto:

 

KAUFMAN, Ana Maria. RODRIGUEZ, Maria Helena. Escola, Leitura e Produção de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

KOCH, Ingedore Villaça. ELIAS, Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção. São Paulo: Contexto, 2009.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão.  São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2009.

Schneuwly, Bernad. DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: SP, Mercado das Letras, 2004.

continuar lendo

Veja mais sobre:

Últimas notícias