Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Matéria de Capa: Conheça professores que complementam a renda | Salários


Por: Pedro Annunciato e Tory Oliveira

Estamos todos endividados e deprimidos

Conheça a história de Elbe Belardinelli professor de História que complementa a renda como motorista

Crédito: Germano Rorato/Nova Escola

Elbe Rafael Marques Belardinelli, 40 anos, Santa Cruz Do Sul (RS), professor de História na EE Bruno Agnes, em Santa Cruz do Sul (RS), e motorista de aplicativo
RENDIMENTOS: R$ 1.250 como professor; R$ 1.000 como motorista

Sou profesor concursado e faço parte da direção do sindicato [Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (CPERS)]. No ano passado, de- pois de uma greve, reduziram
minha carga em 20 horas. As outras 20, não tiraram porque não podem. Perseguição? Eles tinham esse direito, mas a gente acredita que a greve pesou. Meu salário reduziu-se pela metade. Aí eu tive que buscar alternativas. Como tenho carro, fiz meu cadastro na Uber. Preciso trabalhar ao menos 20 horas para ganhar mil reais e compensar a perda. Mas o pior não é isso.

O nosso “desgovernador” [refere-se ao governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (MDB)] parcela o nosso salário. Ele acha que a culpa pela crise no estado é dos funcionários públicos. O governo faz o que quer. Quem ganha menos, recebe nos primeiros dias [do mês], quem ganha mais, depois. Mas sem previsão nenhuma.

A gente termina pegando adiantamento no banco e pagando juros. É um desastre. Estamos todos endividados. Esta semana já se suicidou mais um professor. É o terceiro este mês. Os professores estão depressivos. Alguns fazem [carga horária semanal de] 60 horas. É desumano. Tenho um amigo que está entrando na justiça contra isso. Ele tentou suicídio também. E, para completar, o tratamento psíquico é caro e o convênio não cobre. Não quero deixar a docência. Felizmente, consigo suportar bem a situação. Sou militante, estou acostumado. Resistimos. Quatro anos fazendo oposição, denunciando as barbaridades. Nos organizaremos politicamente e continuaremos resistindo ao próximo governo.