Maçarico-de-papo-vermelho: pássaro que é herói da resistência

Conheça o maçarico-de-papo-vermelho, ave que chega a voar até 30 mil quilômetros, da tundra canadense à Terra do Fogo. Ele é o personagem principal do Jogo da Migração, publicado pelo site de Nova Escola

POR:
NOVA ESCOLA
Maçarico-do-papo-vermelho em Tavares, RS. Imagem: João Quental/Wikiaves.
Maçarico-do-papo-vermelho em Tavares, RS, uma das paradas mais importantes em seu trajeto de migração
Especial Aves do Brasil

Maçarico-de-papo-vermelho é personagem principal do Jogo da Migração. Conheça as características dessa ave super resistente.

Nome científico: Calidris canutus

Características: é uma ave migratória que, todos os anos, pode voar até 30 mil quilômetros. Mede cerca de 24 centímetros de comprimento, tem um bico fino e patas esverdeadas. Sua plumagem de inverno é essencialmente acinzentada, mas na primavera os adultos adquirem um tom alaranjado.

Trajetória: nasce na tundra canadense e depois, fugindo do inverno rigoroso, cruza o território norte-americano para fazer uma parada no litoral nordeste dos Estados Unidos. De lá, voa para o sul até chegar ao Brasil, no litoral do Pará e do Maranhão, nas Reentrâncias Maranhenses. Após o descanso, ele parte em voo sem escalas ao extremo sul da América do Sul, na Terra do Fogo, onde descansa e se alimenta.

 Quando o inverno no hemisfério Sul se aproxima, ele inicia seu retorno voando para o Brasil, primeiro até o Parque Nacional da Lagoa do Peixe, no Rio Grande do Sul, e depois novamente até as Reentrâncias Maranhenses (MA). A próxima parada antes da tundra canadense é a Baía de Delaware (Nova Jersey), nos Estados Unidos, onde o maçarico aproveita para se alimentar dos ovos do caranguejo-ferradura -- um dos seus principais alimentos. Voa à noite, em bandos, orientando-se pelas estrelas e pela Lua. Ao encontrar uma corrente de ar favorável, o maçarico plana em um estado de letargia, quase como se estivesse num sono profundo. Durante o dia, o bando segue o recorte da costa litorânea a uma velocidade de 65 quilômetros por hora.

Alimentação: sua dieta varia de acordo com a estação do ano. Nos territórios de reprodução no Círculo Polar Ártico, alimenta-se principalmente de insetos adultos e larvas (Diptera, Lepidoptera, Trichoptera, etc). Durante as migrações, procura alimentos em ambientes costeiros, especialmente baixios de areia ou lama, e também em praias. Os principais itens consumidos nesses locais são moluscos gastrópodes e bivalves, embora também coma crustáceos pequenos, anelídeos e insetos. Mais raramente pode consumir pequenos peixes e sementes. Na migração ao norte, alimenta-se quase exclusivamente de ovos do caranguejo-ferradura na Baía de Delaware.

Tags

Guias