4 curiosidades sobre a Serra da Capivara

Você sabia que os sítios arqueológicos da região colocam em xeque as teorias sobre o processo migratório para as Américas? A arqueóloga Niède Guidon, a maior especialista no local, fala desse e de outros dados surpreendentes sobre o parque

POR:
Aurélio Amaral

Pintura rupestre na Serra da Capivara | Crédito: Divulgação

A reportagem Fóssil do Primeiro Humano é encontrado na Etiópia (VEJA Edição Digital, 4 de março de 2015) revela que o homem mais antigo de que se tem conhecimento viveu há cerca de 2,8 milhões de anos na Etiópia – 400 mil anos antes do que se pensava –, segundo estudos publicados na revista Science.

VEJA na Sala de Aula

Nas Américas, os vestígios mais antigos da presença humana ficam no Brasil. O Parque Nacional da Serra da Capivara, no interior do Piauí, abriga sítios arqueológicos, a maioria com pinturas e gravuras rupestres, que indicam a presença humana há, pelo menos, 50.000 anos, tendo continuidade até a chegada dos colonizadores brancos. Criado em 1979, ele está localizado no sudeste do Estado, a 530 quilômetros de Teresina, ocupando os municípios de São Raimundo Nonato, João Costa, Brejo do Piauí e Coronel José Dias. Sua superfície é de 129.140 hectares. Em 1991, foi classificado pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Identificar sítios arqueológicos e a relevância da pesquisa nesses locais é importante para a construção do conhecimento histórico. "Vê-se nas pinturas rupestres que o Brasil foi povoado há muito tempo e que esses homens pré-históricos tinham uma vida livre, rica, cheia de alegria. Ninguém os dominava, nem eles dominavam ninguém. Cada membro do grupo vivia para sim e para todos e respeitava a natureza porque sabia que dela dependia. Esses registros são um bom ponto de partida para reflexão com os alunos", diz Niède Guidon, diretora da Fundação Museu do Homem Americano (Fumdham). Incentive a turma a pesquisar como os restos materiais encontrados nos sítios permitem reconstituir a vida dos primeiros habitantes do país. Outra possibilidade é colocar em discussão as teorias sobre o processo migratório do homem para as Américas. Conheça, a seguir, alguns dados surpreendentes sobre a Serra da Capivara:

A região já foi habitat de animais gigantes
A megafauna fóssil do parque nacional inclui mais de 30 espécies, das quais as maiores (uma preguiça gigante e um mastodonte) pesavam mais de 5 toneladas. A extinção desses bichos ocorreu há aproximadamente 10.000 anos, no fim do período chamado Pleistoceno (o que corresponde na América do Norte e na Europa ao fim da época glacial), com a conseguinte mudança climática global. Há investigadores que também creem que seus desaparecimentos foram causados pelo homem. A fauna atual conta com menos de 20 espécies, sendo que a maior delas – a onça – não supera os 120 kg.

Já foram encontrados mais de 1300 sítios, que incluem artefatos e pinturas rupestres
Entre os achados mais significativos, podemos enumerar as escavações do sítio da Toca do Boqueirão da Pedra Furada, iniciadas em 1978 e concluídas em 1988, que permitiram a descoberta dos mais antigos vestígios, até hoje conhecidos, da presença humana nas Américas: fogueiras estruturadas e uma grande quantidade de artefatos de pedra lascada. Já no Sítio do Meio, encontramos fragmentos da cerâmica mais antiga das Américas, datada de 8.960 anos, o primeiro artefato americano de pedra polida, uma machadinha datada de 9.200 anos. Outro sítio, o da Toca do Caldeirão dos Rodrigues, abriga pinturas, escondidas atrás de um imenso bloco caído, que retratam cerca de 12.000 anos de evolução cultural. As escavações, ainda não terminadas, já permitiram encontrar vestígios da presença humana de 18.000 anos. Em uma escavação feita entre 1978 e 1988 pela arqueóloga Niède, foram achadas centenas de pedras lascadas, estruturas que corresponderiam a antigas fogueiras e carvões. Datadas pela técnica do carbono 14 – pela qual se calcula a idade de materiais orgânicos pela quantidade residual de átomos radioativos de carbono, o carbono 14 –, as amostras foram estimadas em entre seis e 48 mil anos de idade. Durante quatro anos, de 1987 a 1990, o arqueólogo italiano Fabio Parenti buscou comprovar a veracidade da origem dos seixos. A conclusão foi que ali havia seixos em que a forma de lascamento evidenciava uma intenção, um modo de pensar - considerando não apenas uma origem humana para eles, mas também propondo que o homem esteve no local por dezenas de milhares de anos, de forma quase contínua.

Os achados colocam as teorias sobre o processo migratório para as Américas em xeque
A teoria arqueológica aceita há mais de meio século defende que o homem teria chegado ao continente americano apenas entre 12 a 15 mil anos atrás – saindo da Ásia e atravessando a pé o Estreito de Behring. Segundo Niède, as evidências encontradas na Serra da Capivara não invalidam a teoria da migração humana por meio de Behring, mas sugerem que o continente americano, com uma extensão de milhares de quilômetros, possa ter sido colonizado por mais de uma via. "Na ciência, toda teoria está sujeita a ser substituída. A de Bering é dos anos 50 e as nossas descobertas, assim como outras no México, no Chile, no Uruguai e inclusive nos Estados Unidos, vem demonstrando que ela está ultrapassada", diz ela. A hipótese mais provável sustentada pela pesquisa é a de que provavelmente pescadores, teriam vindo da África, arrastados pelas correntes e chegaram a América do Sul, empurrados pelos ventos alísios. Análises morfológicas dos crânios encontrados na zona da Serra da Capivara feitas por pesquisadores da USP chegaram à conclusão de que pertenciam ao tipo humano australóide-negróide e não ao tipo humano asiático.

As descobertas ainda são contestadas por grupos de pesquisadores
O cerne da polêmica está na ausência de fragmentos humanos que comprovem a teoria: a data foi fixada com base em restos de fogueiras. Niède argumenta que o solo da região é ácido – o que impede a preservação dos restos ósseos mais antigos. No entanto, por se tratarem de fogueiras em zonas pequenas e delimitadas, as evidências apontam para fogos causados e controlados pelo homem. As pedras trabalhadas ao redor das fogueiras ajudam a reforçar a tese.

Fonte: Niède Guidon
diretora da Fundação Museu do Homem Americano (Fumdham)

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias