Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

O final | Inove


Por: Tory Oliveira

Professora leva cozinha regional e afetiva para a escola

Em Campo Grande, Ellen Barbosa cria disciplina optativa e engaja alunos do Ensino Médio no projeto Mão na Massa

COZINHA: Ellen saiu da zona de conforto para atender aos anseios dos alunos.
Crédito: André Patroni/Nova Escola

“Professora, que tal estudarmos gastronomia?”, provocou o aluno do Ensino Médio Carlos Nascimento, bem no meio da aula de Astronomia. A disciplina faz parte do leque de opções do contraturno na EE Maria Constança Barro Machado, em Campo Grande, e é ministrada pela professora Ellen Barbosa, coordenadora da área de Ciências da Natureza. Diante da inquietação do estudante, a professora começou a pensar em como a escola poderia dar conta de um anseio como esse. “Fui pesquisar, porque nunca tive formação em gastronomia. Descobri que muitos alunos tinham interesse e que, inclusive, alguns queriam ser chef”, conta Ellen.

A resposta a essa demanda foi o projeto Mão na Massa, que hoje conta com 33 alunos de 14 a 18 anos. Para colocar o projeto de pé, Ellen convenceu a direção e buscou outros professores como aliados. Os interessados escreveram cartas de intenções e 25 vagas foram abertas. Há dois focos: a cozinha regional, que valoriza os ingredientes e a cultura alimentar do Centro-Oeste, e a cozinha afetiva, com receitas caseiras. “A regional permite abordar História e Geografia, focando na nossa região. Isso já se liga à BNCC. Na afetiva, trabalhamos Matemática, Física, Quimica e Biologia”, explica Ellen.

Semanal e com duas horas de duração, cada encontro traz uma novidade. Na primeira aula, os alunos descobrem como preparar pão. Além de higiene e a escolha dos ingredientes, a turma aprende a respeitar o tempo de cada receita e a lidar com o erro. “Havia alunos com medo porque já tentaram cozinhar em casa e acabaram advertidos. Mas, na escola, falamos: ‘Aqui você pode errar.’”

O projeto também envolve docentes, familiares e chefs profissionais que visitam a escola à convite da professora. Indígena da etnia terena, a chef Kalymaracaya compartilhou a receita de hî-hî, uma espécie de bolinho de mandioca. “Apesar do nosso estado ter a segunda maior população indígena do Brasil, os alunos nunca tinham ouvido falar da receita. É uma oportunidade de conhecerem a cultura indígena”, diz Ellen. Para o projeto dar certo, conta a professora, foi essencial a disponibilidade do tempo, já que a escola é integral, o entrosamento entre os professores e, principalmente, o interesse dos próprios adolescentes: “Precisamos ouvir e acolher os alunos. Eles têm ideias incríveis!”.


OPINIÃO DE QUEM PARTICIPA

 
“Sempre gostei de confeitaria, a gastronomia é o meu projeto de vida. Foi incrível ver a minha ideia abraçada pela professora. Isso nunca tinha acontecido antes.”
Carlos Nascimento, 19 anos, 3º ano.

“Cozinhar era uma coisa que me deixava feliz, quando descobri a eletiva me interessei muito. As aulas me ajudaram a trabalhar melhor em grupo e também a aprender Matemática brincando.”
Stephanie Moreira da Silva, 16 anos, 2º ano.


3 PERGUNTAS PARA KALYMARACAYA

A chef da etnia terena valoriza os saberes tradicionais do seu povo, por meio da culinária

Como você se tornou chef de cozinha?

Quando era criança, vivia na aldeia e gostava de olhar a minha avó cozinhar. Achava muito bonito. Depois, fiz faculdade de turismo e fui me especializando. Já viajei o Brasil todo e também para o exterior.

Quais desafios precisou superar?

Há poucos chefs indígenas e ainda não se conhece a nossa cultura. Aqui, como há disputas por terra, há pouco respeito e, infelizmente, muito preconceito. Precisei superar muitas barreiras. Mas tento mudar isso com a gastronomia.

Como foi a recepção na escola?

Os alunos fizeram muitas perguntas: como é a vida na aldeia, como cozinhamos, se usamos sal ou açúcar, por exemplo. Ensinei também um pouquinho do nosso idioma terena. Expliquei sobre a nossa cultura e o nosso modo de viver. Foi uma aula bem cultural.