Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
RDRevista Digital

Nova Escola

Nesta área você encontrará todo o acervo da revista de maneira organizada e em formato digital

O início | Conte


Por: Pedro Annunciato

Como incluir alunos surdos na Língua Portuguesa?

Para atender alunos surdos com mais qualidade e ajudá-los a aprender, Lúcia Lacerda conseguiu inventar uma forma criativa de unir a Língua Portuguesa e Libras, a Língua Brasileira de Sinais. O resultado é surpreendente:

INCLUSÃO: Lúcia inventou 11 jogos para alunos surdos no CE Marizanda Dantas, em Salvador.
Crédito: Juh Almeida/Nova Escola.

Em 2007, depois de trabalhar por anos em um banco, a baiana Lúcia Lacerda realizou o sonho de ser professora. Ingressou na rede pública de Salvador e, logo de cara, se deparou com um desafio: ajudar alunos surdos, que na escola não contavam com um intérprete de Libras, a dominar o português. “Fui trabalhar no CE Marizanda Dantas, que atende os estudantes no contraturno. Era tentativa e erro e as coisas não davam certo. Com o tempo, percebi que o problema era que eu não conhecia a língua deles”, reflete Lúcia. Como construir, então, essa ponte entre as crianças e a Língua Portuguesa, usando o conhecimento de Libras que elas tinham? Em vez de trabalhar palavras soltas, criou atividades que associavam as estruturas gramaticais do português com a língua de sinais por meio de jogos que ela mesma inventou. “Descobri que associar os jogos à aquisição de vocabulário, leitura e produção de texto ajudava no desenvolvimento de ideias e estimulava a imaginação para dar melhor suporte na escrita”, conta a professora. “Tenho muito orgulho de ver que meus alunos avançam rapidamente. E o próximo passo é publicar um livro com essas metodologias para que outros colegas as utilizem.” Alguém tem dúvida de que ela vai conseguir?


Qual a técnica?

Dois universos, um tabuleiro

Lúcia desenvolveu 11 jogos para alunos dos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental. Um deles é o Jogo do Gênero, para a fase de alfabetização, cuja mecânica, inspirada no ludo, é um exemplo de como funciona a metodologia usada pela professora.

Objetivo pedagógico: identificar os gêneros masculino e feminino nas palavras da Língua Portuguesa, enriquecendo o vocabulário.

Número de jogadores: quatro.

Material necessário: cartas com palavras do gênero masculino, quatro peças de uma mesma cor para cada um dos jogadores, um dado de seis faces e um tabuleiro com palavras correspondentes às cartas, no gênero feminino
 

1) As cartas com as palavras no gênero masculino são distribuídas. Elas contêm a palavra escrita em português, uma ilustração dela em Libras e uma imagem que a representa graficamente (veja ilustração ao lado).



2) O jogador lança o dado e anda no tabuleiro, onde cada casa possui uma  estrutura igual à das cartas,  mas com as palavras no feminino. Se, por exemplo,  ele cair na palavra “Pata” e tiver a carta “Pato”, descarta  essa carta e continua jogando.





3) Quem conseguir dar a volta no tabuleiro e colocar os seus quatro peões no centro dele, tendo descartado todas as cartas, vence a partida.




PAINEL DE OPINIÕES

“Esses jogos são bem diferentes. Na minha época, a gente recortava e colava as imagens. O surdo esquece as barreiras e começa a jogar.” 

Carla Pinheiro Meira Cerqueira, estagiária de Lúcia, também possui deficiência auditiva. 

“Nós precisamos jogar porque nos ajuda a conhecer as palavras. Tenho aprendido muito com esses jogos.”

Daniel Florêncio do Nascimento, aluno de Lúcia. 

“Desde que o meu filho começou a frequentar as aulas da professora Lúcia, evoluiu muito, em todos os sentidos. Ela é uma pessoa espetacular.” 

Cláudio Dionísio do Nascimento, pai de Daniel.


Libras é língua

Muito além do gesto

Língua Brasileira de Sinais (Libras) não é uma mímica. É uma língua completa, com estruturas gramaticais, convenções e toda uma lógica própria que procura construir significados com base na descrição de espaços, gestos e movimentos. Veja um exemplo de como uma mensagem em português pode ser construída:

João entrou na sala de aula e sentou
frase formada por sujeito + verbo + objeto

1) O objeto: Primeiro, descreve-se o perímetro da sala seguido do gesto que significa “estudar”. Tem-se “sala de aula”.

2) O sujeito - Os gestos, então, primeiro indicam que se trata de uma pessoa e depois “soletram” a palavra “João”.

3) A ação - Com o sujeito e o local comunicados, passa-se à ação, que, no caso, é descrita por dois verbos.

Fonte: Francisco Carneiro Pinheiro Junior, intérprete de Libras

PARA SABER MAIS

O Portal Diversa tem conteúdo sobre libras na escola: bit.ly/diversa-libras

A USP colocou no ar um curso à distância e gratuito sobre o assunto: bit.ly/usp-libras

O VLibras é um tradutor do português para a língua de sinais: bit.ly/vlibras-gov