Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

O final | Relaxe


Por: Beatriz Peres

Um acervo histórico, livro de fotografias e duas hqs para conferir em novembro

Coleção particular de empresário pernambucano inclui conjunto importante do século 17 pintado por Frans Post. Veja essa e outras dicas:

ACERVO: Além das obras de Frans Post, museu guarda fuzis e armaduras. Crédito: Divulgação

Instituto Brennand começou com armas brancas

Ocupando uma área de mais de 77 mil metros quadrados rodeada pela Mata Atlântica no Recife, o Instituto Ricardo Brennand reúne um grande acervo artístico e histórico que começou de maneira singela: um canivete que o empresário ganhou do pai quando criança. O presente virou uma coleção de armas brancas e armaduras que soma mais de 3 mil peças e inclui um conjunto de fuzis que foram de D. Pedro I e D. Pedro II. A seleção foi ampliada com os anos para incluir o maior acervo particular de obras de Frans Post (1612-1680). O pintor holandês esteve no Brasil no século 17 com a comitiva de Maurício de Nassau. Um dos destaques é a tela Forte Frederick Hendrik, dada de presente ao rei Luís 14 em 1779.

Onde? Instituto Ricardo Brennand, Recife, PE
Quando? De terça a domingo: das 13 às 17 horas
Preço especial para estudantes e professores: R$ 15


História

Registros de violência política

Nascido de uma exposição que esteve em cartaz no Instituto Moreira Salles (IMS) do Rio e de São Paulo, o livro Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964 contém registros de revoltas, revoluções e guerras civis no período que vai da Proclamação da República ao golpe de 1964. O recorte se concentra apenas nos episódios envolvendo o Estado e as Forças Armadas. A obra, organizada por Angela Alonso e Heloisa Espada, junta mais de 300 imagens de 30 coleções diferentes, além das fotos do acervo do próprio IMS. O fôlego da pesquisa joga luz sobre a importância do registro fotográfico e tira do país a imagem de berço de um povo pacífico.

INSURREIÇÃO DE ARAGARÇAS (1959) Oficiais da FAB se rebelam contra Juscelino Kubitschek; à esq., os amotinados rendidos

REVOLTA DE JACAREACANGA (1956): À dir., capitão da FAB morto pelo Exército

REVOLTA NAVAL (1910): Marinheiros se insurgem contra os castigos físicos

GUERRA DO CONTESTADO (1912-1916): Conflito entre o governo e camponeses de SC e PR

Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964. Organização Angela Alonso e Heloisa Espada, 432 páginas, IMS, R$129,50


HQs para refletir

A Revolução dos Bichos em HQ

Companhia das Letras, 176 págs, R$ 69,90

O quadrinhista Odyr adapta a obra clássica de George Orwell, sobre os animais que se rebelam contra o dono da granja em que vivem. O texto é fiel à tradução de Heitor Aquino Ferreira.


Fun Home - Uma Tragicomédia em Família

Todavia, 240 págs, R$ 54,90

Nova edição da premiada obra autobiográfica de Alison Bechdel, que, após dizer à família que é lésbica, recebe a notícia de que o pai pode
ter cometido suicídio. Tradução de André Conti.

Crédito das fotos: Divulgação; José Medeiros e Leopoldo Oberst/Agência O Globo; Campanella Neto/CPCOC JB;
Claro Jansson/Acervo Jandira Jansson; Fotógrafo desconhecido/Acervo Instituto Moreira Salles.