Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

O final | Inspire-se


Por:

“Ninguém nasce com preconceito”

Maria Luiza de 8 anos foi à câmara municipal para se manifestar. Conheça essa história:

Uma nova escola estava sendo construída em Palmas. Um dia, minha mãe comentou comigo que um vereador propôs mudar o nome: de CMEI Arco-Íris para CMEI Romilda da Budke Guarda. A intenção não era só homenagear uma figura pública local, mas, sim, tirar a palavra arco-íris. Na visão dele, tem a ver com a comunidade LGBT e crianças precisam ser protegidas de gays. Fiquei indignada. Publiquei no meu Instagram comentários sobre isso e outro vereador, meu vizinho, ficou sabendo e me convidou para falar na câmara municipal. Li meu discurso em voz alta. Disse que o amor é feito de todas as cores e que o arco-íris representa isso bem. Expliquei que ninguém nasce preconceituoso, são os adultos que ensinam e que eles poderiam ensinar respeito, tolerância e amor. Infelizmente, o nome da escola foi alterado, mas me senti aliviada depois de ter falado. Cor existe em todos os lugares e aposto que a escola, apesar de não ter mais arco-íris no nome, será muito bonita e colorida.

Maria Luiza Cunha Menegon, aluna, 8 anos

Crédito: Loise Maria/Nova Escola