Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias

Existe ideologia de gênero na Educação?

Iniciativas de diferentes áreas – e em diferentes correntes – confluem para que escolas discutam mais a fundo as diferenças entre meninos e meninas, homens e mulheres

POR:
Wellington Soares
Foto: Daniel Watson/Unsplash

"Um menino e uma menina são o mesmo?": um vídeo francês que se popularizou na redes sociais nas últimas semanas abre com essa indagação. O objetivo do vídeo é explicar como funcionaria a chamada “ideologia de gênero”. "Para algumas pessoas, meninos e meninas são diferentes não porque seus corpos são diferentes, mas porque todo mundo – os pais, a família, a escola – os obriga a serem diferentes", diz o pequeno filme.

A peça tem circulado como meio para desqualificar as discussões sobre gênero em escolas. Não é a única iniciativa. Nos últimos anos, diferentes indivíduos e organizações tentaram barrar o debate sobre o tema, inicialmente na briga pela sua exclusão do Plano Nacional de Educação (PNE), assim como dos planos estaduais e municipais. Em seguida, diversos projetos de lei começaram a pipocar Brasil afora para tentar criar dispositivos que impedissem professores de discutir questões de gênero em suas aulas.

LEIA MAIS   Viu uma notícia falsa sobre Educação? Mande para NOVA ESCOLA

No cerne da discussão está o fato de que as questões de gênero constituem uma ideologia. Será que é isso mesmo?

Em uma das muitas concepções da palavra, ideologia é tida como um conjunto de ideias ou convicções que, em determinados contextos, pautam a maneira como as pessoas se comportam no dia a dia, quase como uma espécie de força invisível. "No sentido utilizado ao falar em uma suposta 'ideologia de gênero', tenta-se dar a entender que se trata de um dogma, mas na verdade há estudos e pesquisas feitos há décadas que colocam esses estudos no patamar de ciência", afirma Maria Cristina Cavaleiro, professora da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).

Os estudos de gênero partem de uma constatação fundamental: a de que todas as pessoas possuem os mesmos direitos. Essa afirmação aparece na Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948: "Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos". Ela é reforçada em diversos outros documentos e leis, como a Convenção Americana sobre o Direitos Humanos e a Constituição Federal brasileira, que diz em seu quinto artigo: "Todos são iguais perante a lei". Em todos esses textos, a ideia que os embasa é a de que – para além das diferenças biológicas que definem sua cor de pele, seu sexo, sua estatura, suas características físicas, sensoriais ou intelectuais – todos deveriam ter os mesmos direitos assegurados.

LEIA MAIS   Escola militar é a saída para crianças de comunidades vulneráveis?

Iguais, mas nem tanto

Os movimentos sociais nascem da constatação de que as histórias das sociedades causaram distorções nesse direito a igualdade e que agora é necessário corrigi-las. Ao falar de gênero, essas distorções se dão, sobretudo, nos direitos e no respeito a homens e a mulheres – cis e transexuais. Parte das pesquisas realizadas por universidades e institutos de pesquisa observa como o gênero pode influenciar em diferentes aspectos da vida cotidiana: na renda, na expectativa de vida, no cotidiano do trabalho, andando na rua, na saúde mental e assim por diante. "O conceito de gênero é, na verdade, um referencial teórico importante que pauta pesquisas em todas as áreas do conhecimento", afirma Mooni Moallem, professora da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

Boa parte das diferenças podem ser atestada por números. No mundo do trabalho, por exemplo, é fato conhecido que elas ganham menos e assumem menos cargos de liderança. Veja os dados abaixo:

20,9 é o número de horas trabalhadas semanalmente pelas mulheres em tarefas domésticas e do cuidado de pessoas. Os homens dedicam, em média, 10,8 horas.

 

Além do mundo do trabalho, a esfera pública também tem impactos grandes. Segundo dados do Datafolha, 29% das mulheres já foram assediadas na rua. E o Ministério da Saúde também mostra que elas são, na infância, um alvo muito mais comum da violência sexual: de todos os casos reportados ao SUS com crianças de até 5 anos de idade, 74,2% aconteceram com meninas.

Na Educação, há diferenciações também. Um relatório da Unesco mostra que meninas e meninos ainda enfrentam diferenças nas provas de diferentes disciplinas. Elas se saem melhor em leitura e eles, em Matemática. Pesquisas apontam que as diferenças não se dão por algo natural, mas porque os meninos são mais encorajados a trabalhar com conhecimentos relacionados às ciências exatas. "As expectativas e os estereótipos que os professores carregam têm um papel importante e muitas vezes são transmitidos aos alunos sem que eles percebam", destacou a pesquisadora alemã Bettina Hannover, em entrevista a NOVA ESCOLA.

PLANO DE AULA   Como evitar que seus alunos sejam enganados na internet

Em sala de aula, a igualdade em prática

Pesquisadores e movimentos sociais se articulam para tentar encontrar saídas para diminuir essas distorções no direito à igualdade. Por isso, atuam em diversos campos, como a política e a Educação. "A escola e a sociedade ensinam – ainda que não explicitamente – diversas coisas sobre gênero, desde o nascimento da criança. O que podemos fazer na escola é propor reflexões sobre esse tema, com base no conhecimento científico", afirma Maria Cristina.

Na escola, há diversas propostas e orientações para garantir a igualdade. A ideia é que meninos e meninas possam, igualmente, aprender tudo o que está previsto pelo currículo, adquiram competências socioemocionais fundamentais para a vida em uma sociedade que também preza pela igualdade e possam considerar diversas carreiras para o seu futuro.

Também é importante que essas desigualdades enfrentadas na sociedade hoje sejam discutidas, para que todos possam compreendê-las e pensar como podem combatê-las também fora do ambiente escolar.

Por fim, vale ressaltar que os diversos estudos que embasam as teorias sobre gênero estão – como toda ciência – em constante discussão. "O papel da Educação é colocar esse conhecimento em cheque, discutir, debater. Nunca os debates devem sair com uma verdade absoluta, que é o quem é contra as discussões de gênero defende", afirma Maria Cristina Cavaleiro.

 

PARA SABER MAIS

Livros para compreender os estudos de gênero

 

Gênero, Sexualidade e Educação, de Guacira Lopes Louro

O professor diante das relações de gênero na Educação Física Escolar, de Daniela Auad

Para educar crianças feministas, de Chimamanda Ngozie Adichie

Essa reportagem faz parte da campanha Mentira na Educação, não!, que realizará checagens de notícias sobre Educação. A iniciativa é realizada por NOVA ESCOLA, com apoio do INSTITUTO UNIBANCOINSTITUTO ALANACANAL FUTURA e FACEBOOK.

Aprofunde sua leitura

Assuntos Relacionados