Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias

A importância de discutir a saúde mental de alunos e professores na escola

Evento de NOVA ESCOLA debateu a influência do clima escolar na saúde dos educadores e a relação entre a saúde mental e a identidade dos jovens

POR:
Larissa Teixeira
Fernando Monteiro falou sobre o papel do professor no clima escolar durante o evento Saúde Mental na Escola. Crédito: Lucas Magalhães

O clima escolar é um dos fatores que influenciam a saúde mental dos jovens e, claro, dos professores. Para garantir a qualidade do processo de ensino e aprendizagem, é preciso antes de tudo que a escola favoreça um ambiente harmonioso, em que o respeito e a colaboração estejam inseridos nas práticas cotidianas. O papel dos alunos e docentes na construção de um clima saudável foi tema de debates durante o evento Saúde Mental na Escola, promovido pela NOVA ESCOLA, com apoio do Facebook e Instagram.

LEIA MAIS Saúde mental na escola: por que cuidar dela

Para abordar a importância da cultura colaborativa e do diálogo entre toda a equipe da escola, Fernando Monteiro e Bárbara Dias compartilharam a experiência da organização Evoluir Brasil, especializada em desenvolver conteúdos e metodologias educacionais inovadoras para o desenvolvimento de pessoas.

Segundo Fernando, fundador e diretor-executivo da Evoluir, nenhum fator isolado determina o clima de uma escola, mas sim a interação entre vários elementos relacionados com o engajamento das pessoas, a segurança e a estrutura física da instituição. “Um ambiente que favorece relações mais respeitosas e horizontais tem uma influência direta não apenas na saúde mental de todos, mas também na aprendizagem. Em escolas em que os docentes conseguem colaborar e pensar junto, os alunos também têm um melhor desempenho”, explica.

LEIA MAIS Baixe grátis um livro em PDF sobre as socioemocionais

Para ele, é preciso que haja uma mudança de mentalidade que valorize a ação coletiva entre os educadores, o que pode ser feito com base em três campos de ação. Em primeiro lugar, na esfera pessoal – o docente precisa desenvolver suas próprias habilidades socioemocionais para que consiga se relacionar melhor com os colegas. Em segundo, ele deve investir em métodos de interação com os outros, como a prática do diálogo, a escuta ativa e a comunicação não violenta. Por fim, é necessário pensar no campo ambiental, ou seja, compreender que todos fazem parte de um todo e que precisam conviver em harmonia.

A coordenadora de projetos Bárbara Dias trabalha com projetos contínuos desenvolvidos em escolas públicas. Crédito: Lucas Magalhães

Bárbara Dias, coordenadora de projetos do Evoluir, aponta que, em um momento de polarização e discursos violentos, essas práticas são essenciais para preservar a saúde mental dos educadores. “Embora cada escola tenha suas especificidades, todas elas enfrentam esse dilema do convívio, do estresse, da depressão e da angústia dos professores”, conta. Por isso, ela acredita que é necessário trabalhar o desenvolvimento de habilidades socioemocionais, como autoconhecimento e prática da empatia, também entre os educadores.

Saúde mental dos jovens
Um bom clima escolar é responsabilidade coletiva e envolve também a participação dos estudantes. Ao enfrentar problemas de saúde mental e perceber que muitos alunos de sua turma pareciam tristes ou deprimidos, três alunas do Colégio Dante Alighieri, em São Paulo, tiveram a ideia de desenvolver um projeto científico na área de psicologia social sobre saúde mental e construção de identidade.

A aluna Alessandra durante apresentação da palestra "Saúde mental e identidade jovem". Crédito: Lucas Magalhães

Criado pelas adolescentes Alessandra Maranca, Catharina de Morais e Maria Clara Nascentes, o projeto “O Bem-Estar do Jovem: A Busca pela Saúde Mental a partir da Construção da Identidade Autêntica” foi realizado dentro do programa Cientista Aprendiz, do Colégio Dante.

"Na época tínhamos 13, 14 anos. Eu era bulímica, andava hostil com as pessoas e tinha passado por situações de bullying. Quando a gente se reuniu, chegamos à conclusão de que nós três estávamos sofrendo, e também percebíamos isso ao conversar com outras pessoas. Então queríamos entender por que isso estava acontecendo", conta Alessandra.


LEIA MAIS Como as competências socioemocionais promovem saúde mental?

Em uma pesquisa inicial, as jovens descobriram que existem cerca de 35 milhões de adolescentes entre 10 a 19 anos com algum transtorno de saúde mental. “Identificamos que uma das etapas mais cruciais para que o jovem se torne um adulto maduro é a construção da identidade, ou seja, ter um conjunto de metas e objetivos estabelecidos. Essa questão da identidade influencia a saúde mental, principalmente neste momento da hipermodernidade, em que temos muitas opções e um grande poder de escolha”, relata Maria Clara.

As estudantes Maria Clara e Catharina durante apresentação do projeto que desenvolvem no Colégio Dante. Crédito: Lucas Magalhães

Após as pesquisas, o primeiro passo foi realizar um questionário com escolas públicas e particulares para entender a correlação entre esses fatores. Na segunda fase, elas criaram um plano de intervenção baseado em alguns pilares, como o fortalecimento do diálogo com o grupo, discussões sobre padrões corporais e o princípio da identificação. “Muitas vezes, os jovens têm mais dificuldade de falar sobre determinados assuntos com os adultos. Por isso, pensamos que uma boa maneira de fazer isso seria colocar os próprios jovens para falar com as turmas”, explica Catharina.

Dentro do projeto, foram escolhidos alguns líderes para guiar o trabalho nas salas de aulas e mediar rodas de conversa sobre a formação da identidade. O trabalho ainda está em andamento, mas a ideia é que possa ser replicado em outras escolas.

Tags

Aprofunde sua leitura

Assuntos Relacionados