Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Especialistas | Helena Singer


Por: Helena Singer

Educação em movimento

Chegou a hora de apontar caminhos para as políticas de financiamento e avaliação

As agendas pela Educação democrática, inclusiva, integral e sustentável têm mobilizado escolas, profissionais, ativistas e iniciativas sociais pela transformação da Educação em seus diversos campos.

Na última década, educadores, pesquisadores e interessados em geral articularam diversas iniciativas pelo fortalecimento dessas agendas no país. Encontros para partilha de práticas, sites de referência, conferências regionais, nacionais e internacionais, mapeamentos de experiências inovadoras, filmes, séries para TV e internet, páginas em redes sociais, manifestos, artigos, livros. Criaram-se grupos de estudos em universidades e fora delas.

E não podemos deixar de mencionar o movimento que literalmente explodiu em São Paulo em 2015 e se espalhou pelo país no ano seguinte, com os estudantes ocupando suas escolas e universidades em ações muito significativas nas quais eles assumiram não só a gestão e os cuidados com o espaço e as pessoas como também promoveram debates, encontros, aulas públicas, apresentações musicais e muitas outras ações que evidenciaram sua capacidade de assumir responsabilidade na transformação positiva da Educação.

Se até agora essas iniciativas, organizações e redes conseguiram demonstrar a imensa criatividade brasileira para inspirar a inovação na Educação mundial, chegou o momento de se organizarem para apontar os caminhos para as políticas de financiamento, regulação, formação e avaliação que vão possibilitar a nova Educação para todos. Trata-se do Movimento de Inovação na Educação, lançado no último mês, cuja plataforma dissemina a inovação e integra redes (movinovacaonaeducacao.org.br).

O movimento defende a participação dos estudantes nos processos de decisão sobre seu próprio aprendizado e se fortalece no direito que todo menino e menina têm de aprender.

Além disso, reconhece os riscos socioambientais que vivemos e estimula uma visão sobre a escola como uma organização que deve assumir o papel de agente ambiental e de produção de cultura e conhecimento local. É movimentação articulada pelo bem comum.

Helena Singer é doutora em Sociologia e líder da Estratégia de Juventude para a América Latina na Ashoka. Foi assessora especial do MEC.

Foto: Tomás Arthuzzi