Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias

6 bons hábitos para iniciar nas férias (e incluir na rotina)

Veja nossas dicas para relaxar e aproveitar melhor os finais de semana, os feriados e também as horas pós-expediente

POR:
Laís Semis
Dá para começar uma vida mais leve hoje! Crédito: Pixabay

Para que um hábito ganhe espaço em sua vida, é necessário que você se identifique com ele ou ao menos, tenha interesse em se desenvolver nele. Ao escolher uma atividade, seja realista: busque algo que possa se encaixar em sua rotina e estabeleça um objetivo (seja de frequência ou de nível de dificuldade) compatível com a dedicação que você colocará nele. Com propostas tangíveis, há menos chance de se sentir desestimulado com a tarefa ou frustrado com o resultado. Implementar mudanças na rotina leva tempo, exige dedicação e os resultados nem sempre são imediatos. Por isso, não seja ansioso com os resultados. “Os benefícios de uma vida mais ativa e saudável são totais. Se ganha anos de vida com qualidade e tem impacto na mortalidade: se vive mais anos”, explica o médico Roberto Kalil Filho, presidente do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP (InCor) e diretor de cardiologia do Hospital Sírio-Libanês.

A seguir, veja alguns bons hábitos para trazer das férias para o dia a dia:

1. Desconecte-se e esteja presente no momento. Quem nunca esteve em um lugar com o objetivo de relaxar ou se divertir, mas manteve a cabeça nos impasses e preocupações do dia ou nas pendências que o aguardavam no dia seguinte? “O erro mais comum é sair de férias e seguir conectada nas atividades que ficaram em seu ambiente de trabalho e no seu cotidiano. O ideal, para a saúde mental é o desligar-se 100% e relaxar”, diz a psicóloga Cláudia Magalhães, especialista em psicossomática. Para quem está de férias, pensar em problemas que precisarão ser resolvidos na volta às aulas, remoer situações estressantes que aconteceram no trabalho e ficar checando o e-mail ou os grupos de WhatsApp do trabalho é continuar conectado ao trabalho sem ser produtivo. Desativar as notificações do grupo (ou manter um combinado de que nas férias o grupo fica inativo ou ainda pedir para sair e retornar na volta às aulas), deixar os problemas em seus devidos tempos e espaços, se policiar sobre os temas que você está trazendo à mesa (trabalho não é o melhor tema para seu tempo livre) podem ajudar a se desconectar dos problemas que impedem um bom descanso.

Nos seus horários de descanso, desconecte-se dos problemas e foque nas atividades e tarefas pessoais. Crédito: Jared Sluyter/Unsplash

A medida é válida não apenas nas férias. Final de semana começou? Feriadão vem aí? Acabou o expediente? Esse é o momento de focar no descanso (merecido), em você, nas atividades e tarefas pessoais. Se é preciso corrigir provas ou trabalhos no final de semana, por exemplo, reserve e estabeleça um período no dia para se dedicar a essa tarefa. Concluir a atividade no sábado de manhã pode tirar o “peso” da pendência e deixar o final de semana mais leve. Se você só conseguirá lidar com a tarefa no domingo à noite, não se auto-sabote pensando na execução até o momento de fazê-la. Reserve o horário para a tarefa e aproveite o final de semana sem culpa! Esteja consciente de que a pendência será resolvida no seu devido momento e que pensar nela não ajudará a resolvê-la, apenas será motivo de ansiedade e te fará curtir menos o seu tempo livre.

2. Troque um mau hábito por um bom
Pense nas vezes que você tentou manter uma rotina de exercícios, alimentação saudável ou de “práticas ideais” – ler um livro por semana ou assistir mais filmes, por exemplo. Agora, pense nas vezes em que você tentou cortar ou diminuir um alimento do qual gosta muito, mas não é muito saudável – um doce, um refrigerante ou uma fritura – ou deixar de fumar. Criar um bom hábito é muito mais difícil que largar um hábito ruim. Por isso, trocar um hábito por outro pode funcionar melhor para algumas pessoas. A vantagem da troca é que pode ser mais fácil incluí-la na rotina, já que não é necessário abrir espaço na agenda para a atividade. É preciso apenas identificar hábitos da rotina que podem ser melhorados para atender aos objetivos de uma vida não apenas mais saudável, mas que permitam incluir atividades para desenvolver mente e corpo. Nesse processo é possível trocar uma bebida que não seja saudável por outra mais natural. Sabe aquele tempo que você dedica antes de dormir para rodar a timeline das redes sociais? Poderia ser usado para se atualizar das notícias ou se tornar uma hora de leitura offline.

3. Alongue-se diariamente
Para quem costuma passar muito tempo sentado ou na mesma posição, se mexer é sempre muito bem-vindo para o corpo. “O pior erro é não se cuidar”, atenta Roberto Kalil. O alongamento diário pode até não valer como exercício físico, mas pode ajudar o corpo a relaxar, garantindo mais conforto no seu dia de trabalho e evitando dores. Começar o dia se alongando ou fazer uma pequena pausa no trabalho é um bom começo. Esses minutos de atenção ao seu corpo podem também ajudar a descansar a mente.

Fazer uma pausa para se alongar pode ajudar o corpo a relaxar. Crédito: Artem Bali/Unsplash

4. Torne sua rotina mais ativa
Quem nunca chegou a anunciar que na segunda-feira ou no Ano Novo começaria uma grande mudança em sua vida? “Chegar no domingo e dizer ‘Amanhã vou mudar toda minha vida, acordar às 5h para correr’ é um erro porque a pessoa pode nem ter preparo físico para isso”, diz Roberto Kalil. “As mudanças precisam ser graduais. Comece com exercícios físicos leves ou com caminhada”, diz o médico. Para quem tem dificuldade de abrir espaço na agenda, uma opção é fazer pequenas mudanças na rotina, como trocar o uso do elevador pela escada ou, para os usuários do transporte público, descer um ou dois pontos antes da sua parada habitual. “Essa movimentação a mais no dia a dia já é benéfica”, afirma o presidente do InCor.

A prática de exercícios físicos aumenta os anos de vida. Crédito:  Lindsay Henwood/Unsplash

Manter uma frequência na ação – trocar diariamente o elevador pela escada ou caminhar três vezes na semana – é importante, mas para Roberto Kalil, mais importante do que criar regras que podem desestimular quem está entrando nesse processo é fazer. “Se você começa a botar regras em uma pessoa que não tem o hábito, ela provavelmente vai acabar desistindo. Então, caminhe, seja por 20 ou 30 minutos para ir tomando gosto e depois considere uma rotina mais de preparo físico”, aconselha.

5. Esvazie a cabeça
A vida moderna é repleta de estresse: horas perdidas no trânsito, extensas horas de expediente, um celular que não para de notificar como anda o mundo e as suas interações. Para o professor, um outro fator reforça o cenário: uma sala com dezenas de crianças ou adolescentes cheios de energia que exigem atenção. Para lidar com tudo, é preciso uma válvula de escape, o que pode ser diferente para cada um. “Estresse afeta a saúde. Uma forma de reduzi-lo, independentemente da sua profissão, é por meio dos exercícios físicos”, diz Roberto Kalil.

Outra possibilidade é a meditação. “A meditação tem muitos benefícios, entre os quais ensinar a focar no aqui e agora, redução de estresse e de ansiedade”, diz Cláudia Magalhães, que também oferece no mesmo prédio de seu consultório de psicologia, sessões de mediação guiada. De acordo com a psicóloga, 10 minutos já podem trazer uma resposta positiva. Mas existem outras formas de esvaziar a cabeça além do exercício e meditação. “Qualquer atividade de lazer que você faça te ajuda, contanto que você esteja presente na atividade, com consciência e entrega”.

6. Procure atividades e pessoas que te fazem bem
Há muitas situações no dia a dia que não podemos mudar. Nem sempre é possível fugir do trânsito, melhorar o comportamento alheio ou evitar um acontecimento ruim. “É comprovado que negativismo adoece a saúde mental, pois vem sempre carregado de uma energia pesada e densa”, afirma a psicóloga Cláudia. O resultado pode ser estresse, mau humor e impaciência.  Apesar disso, boa parte do que acontece ao nosso redor pode ser transformado por atitudes positivas ou podemos fazer escolhas mais saudáveis para nossa saúde mental. Buscar atividades e pessoas que te fazem bem podem ser um bom caminho para garantir uma vivência mais leve e de qualidade. “Pessoas com bom humor e atividades que trazem prazer são quase que um medicamento para a vida”.

Procure estar com pessoas que te fazem bem. Crédito: Sam Manns/Unsplash

Que tal começar uma vida mais leve e saudável hoje? Ou trocar um mau hábito por um bom? Muitos almejam bons hábitos, mas acabam desistindo rapidamente. “O erro mais comum é a falta de persistência e dedicação consigo mesmo”, pondera Cláudia Magalhães. Dedique um tempo a si mesmo! E se você tem outras dicas para quem está em busca de uma vida mais saudável, não deixe de compartilhar nos comentários!

Tags

Tags

Guias

Assuntos Relacionados