Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Sala de aula | Língua Portuguesa


Por: Anna Rachel Ferreira

É possível desfrutar da leitura na escola?

NOVA ESCOLA juntou um time de especialistas que compartilham estratégias para você usar com a garotada dos anos finais do Ensino Fundamental

Ilustração: Silva

"O professor tem de ser um contador de histórias”, ensina o escritor moçambicano Mia Couto, em entrevista ao site de NOVA ESCOLA (http://bit.ly/2KAnBrr). Na sala de aula, desenvolver o gosto pela leitura nos alunos é um desafio permanente. Desde os primeiros passos na creche, é recomendada a apreciação de livros e rodas de leitura com os pequenos, que ficam encantados com as narrativas. Mas algo parece quebrar esse entusiasmo conforme os estudantes ficam mais velhos. As leituras passam a ser vistas como tarefas, já que, muitas vezes, são destinadas ao estudo de conteúdos gramaticais ou trazem temáticas distantes da realidade dos estudantes.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) prevê a leitura por fruição como uma das competências específicas de Língua Portuguesa para os anos finais do Ensino Fundamental. Mas como reverter esse quadro de desinteresse? Para começar, é importante ter clareza do que significa a leitura por fruição. Escolher as próprias leituras faz parte do amadurecimento dos alunos, mas não é a única maneira de desfrutá-la. Analisar uma obra, por exemplo, também pode ser algo prazeroso. Apesar de a tarefa de apresentar o hábito da leitura ser compartilhada com as famílias, é na escola que os jovens poderão se aprofundar em seus conceitos, suas técnicas e estéticas. A missão não é fácil: gestão do tempo em meio à pressão para lidar com o volume de conteúdos, criar interesse e contemplar as preferências dos alunos, além de separar momentos pessoais de leitura. Para driblar esses obstáculos, a chave está na diversidade de estratégias. Com o objetivo de ajudar você, professor, nessa empreitada, NOVA ESCOLA conversou com especialistas no assunto e traz oito estratégias para estimular o prazer da leitura entre os alunos

LEITURA NA PRÁTICA

Conheça estratégias para estimular o hábito de ler no Ensino Fundamental 2: 

ESTIMULE A LEITURA NA PRÓPRIA ESCOLA

  • O que fazer: Separe um momento para ir com a turma até a biblioteca: escolher títulos e ler naquele ambiente é rico para a criação do hábito da leitura. Repletos de atividades fora da escola, os adolescentes dificilmente reservam um tempo para ler.
  • Objetivos: Disponibilizar esse tempo na escola ajuda a criar e manter o hábito de ler. Além disso, observar colegas engajados na leitura faz com que o aluno enxergue a atividade como interessante para a idade dele.

CONVERSE SOBRE O QUE ESTÁ SENDO LIDO

  • O que fazer: Converse sobre o que está sendo lido e estimule esse diálogo entre os alunos. Convide também estudantes de séries mais avançadas para dividir suas leituras com os mais novos. Na adolescência, é comum se espelhar nos mais velhos: saber que eles leem (e se divertem!) é fator motivador.
  • Objetivos:  Propor conversas de intercâmbio de leituras faz com que os alunos se interessem pelas experiências dos colegas e percebam-se parte de um grupo que lê.
Ilustração: Silva

RESPEITE AS PREFERÊNCIAS LITERÁRIAS DOS ALUNOS

  • O que fazer: Saiba quais títulos estão no radar da leitura da turma, além de onde e quando os alunos costumam ler. Não demonstre preconceito quanto às obras, temáticas ou os autores escolhidos: respeite as preferências literárias de cada um.
  • Objetivos: Às vezes, os alunos estão lendo best-sellers ou títulos que não são vistos com bons olhos pela academia. Ao observar os temas e questionar por que o aluno gosta dessa leitura, o professor pode encontrar pistas de como introduzir novas leituras desafiadoras e, ao mesmo tempo, saborosas.

APRESENTE O LIVRO E DIGA POR QUE ELE É IMPORTANTE

  • O que fazer: É essencial demonstrar o porquê da escolha de cada livro sugerido à turma. Questione-se: afinal, por que vamos ler esse livro? O que eu, professor, gosto nessa obra? Por que ela é importante?
  • Objetivos: Resgatar o contexto de produção do livro, dar informações que denotem sua importância, mostrar correlações com o presente e com os próprios alunos deixa o texto a uma distância ideal para ser explorado pelos adolescentes.

FAÇA LEITURAS COMPARTILHADAS PARA TEXTOS MAIS DESAFIADORES

  • O que fazer: Para textos mais complexos, faça da leitura uma tarefa coletiva. Leia o livro todo (ou seus principais trechos) em sala, levantando hipóteses e fazendo intervenções de modo a levar a turma a compreender a estética e os artifícios utilizados pelo autor e por que a produção é interessante do ponto de vista literário.
  • Objetivos: Muitas vezes, os alunos precisam entender as premissas do livro para embarcar na leitura de maneira prazerosa. Para eleger a melhor forma de fazer isso, saiba em que ponto da competência leitora estão seus alunos, além das características e principais interpretações sobre a obra.

DÊ UMA CARA NOVA PARA A LEITURA EM VOZ ALTA

  • O que fazer: Proponha que os alunos leiam histórias para os mais novos ou criem audiobooks. Para isso, a leitura em voz alta pode ser gravada em celulares e o trabalho final disponibilizado via Internet ou aplicativo de mensagem.
  • Objetivos: Nos anos iniciais do Fundamental, é comum pedir a leitura em voz alta para analisar a fluência do aluno. Nos anos finais, isso não faz mais sentido! Agora, o docente deve incentivar o trabalho com a oralidade dos textos. O que muda é o objetivo da atividade: não se quer mais analisar fluência, mas dar à palavra escrita a interpretação proposta pelo autor.

APRESENTE DIFERENTES RELEITURAS DE UMA OBRA

  • O que fazer: Mostre e discuta representações diversas de um mesmo texto. Vá além do livro em si: é possível encontrar vídeos de autores lendo trechos de suas obras, músicas baseadas em narrativas literárias, filmes, peças teatrais e até memes inspirados em personagens clássicos.
  • Objetivos: Expor os estudantes a diferentes releituras de um livro ajuda a ampliar o grau de compreensão e estimular a multiplicidade de interpretações geradas por uma obra literária.

SEJA TAMBÉM UM LEITOR

  • O que fazer: A melhor forma de incentivar a turma a ler é deixar transparecer seu próprio entusiasmo em relação à leitura. Do contrário, fica difícil estimular os adolescentes a fazer o mesmo.
  • Objetivos: Um professor que também é leitor será sempre mais capacitado para indicar estilos, obras e autores de acordo com o interesse dos alunos. Além disso, o hábito da leitura amplia seu repertório cultural para fazer melhores intervenções em todas as áreas do conhecimento.

CURSO ONLINE

Para saber mais sobre a leitura no Fundamental 2, aproveite o curso a distância elaborado pela NOVA ESCOLA e o Instituto Singularidades. Confira em novaescola.org.br/cursos/


Na BNCC

Participar de práticas de compartilhamento de leitura/recepção de obras literárias/ manifestações
artísticas, como rodas de leitura, clubes de leitura, contação de histórias, leituras dramáticas, canais de booktubers, tecendo, quando possível, comentários de ordem estética e afetiva e justificando suas apreciações. Habilidade EF69LP46