Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
RDRevista Digital

Nova Escola

Nesta área você encontrará todo o acervo da revista de maneira organizada e em formato digital

Especialistas | Entre Colegas

Quando o professor não lê

Muitos educadores defendem que desenvolver a leitura deveria ser a prioridade. Mas será que eles próprios leem?

Ilustração: Adriana Komura

Nas escolas, é comum ouvir os professores se queixando de que os alunos não leem. Argumentam que as atividades revelam fragilidades na compreensão dos textos, por vezes comprometendo o entendimento do conteúdo. Em Matemática, por exemplo, é frequente ouvir que o nó não está nos cálculos, mas na dificuldade de interpretar os enunciados. Tal queixa, em geral, vem acompanhada de um diagnóstico mais amplo: o problema é que os alunos não têm o hábito da leitura.

Ninguém discute que ler é uma das principais portas de entrada para o conhecimento. Nas escolas, escutamos que dominar essa competência é importante para o sucesso acadêmico e para o mundo do trabalho. Muitos professores defendem que desenvolver a leitura deveria ser a prioridade número 1 da escola. Mas será que esses professores, eles próprios, leem? Realizada em 2015 pelo Instituto Pró-Leitor e o Ibope, a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil joga luz sobre essa pergunta. Dos 1.680 professores entrevistados, 6% declararam que não gostam de ler e 31% que gostam só um pouco. Pelos critérios da pesquisa, 16% foram considerados não leitores, já que não leram uma parte de um livro nos últimos três meses. Outros 3% não tinham sequer um livro em casa.

Embora o discurso seja o da defesa da leitura, esses dados revelam que uma parte significativa de nós, professores, não lê. Partindo daí, é possível concluir que muitos docentes não gostam, não acham importante ou não têm tempo para ler. Qualquer uma dessas hipóteses é preocupante, pois têm consequências na maneira como encaminhamos a leitura com nossos alunos.

Uma coordenadora contou, com espanto, que os adolescentes concluindo o Fundamental em sua escola leram só um livro nos últimos quatro anos. Ela descobriu que só um docente propunha a leitura de uma obra completa. Fui investigar, então, quantos livros meus alunos leem por ano a pedido dos docentes. Você saberia responder?

Se levamos a sério o discurso de que a competência leitora importa, é preciso cuidar para que esses vazios não aconteçam. É importante que as escolas tenham projetos de leitura de mais fôlego, incluindo a apreciação de livros na íntegra. A lacuna envolve também uma mudança de atitude da nossa parte. Conheço um professor que inicia suas aulas apresentando o que está lendo. Via de regra, são obras sem ligação direta com o conteúdo ministrado: são contos, romances, poesias. Ele diz que as turmas revelam bastante curiosidade e que, não raro, vê os títulos que mostrou nas mãos dos alunos.

Com este texto, não pretendo convencer quem não lê de que deveria ler mais. Trata-se de um alerta: nós, como categoria, não temos estimulado nossos alunos a tornarem-se leitores. A pesquisa diz que apenas metade dos docentes entrevistados pode ser chamada assim. O que podemos fazer para que a próxima geração seja diferente?

FELIPE BANDONI é professor de Ciências na Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Colégio Santa Cruz, em São Paulo

Para assinaturas da revista impressa