Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
RDRevista Digital

Nova Escola

Nesta área você encontrará todo o acervo da revista de maneira organizada e em formato digital

Reportagem | Formação


Por: Suzel Tunes

Saiba como funciona a faculdade Waldorf

A Rudolf Steiner oferece o primeiro curso de Pedagogia com currículo ampliado pela metodologia da Antroposofia

Curso de Pedagogia alia disciplinas tradicionais à formação artística. Crédito: Tuane Fernandes

Desenhar um elefante em uma folha em branco: esse era o desafio de Gisele Bezian, aluna de Pedagogia da Faculdade Rudolf Steiner. A atividade, parte da aula de Arte, precisou ser repetida à exaustão até se chegar à versão definitiva do desenho. Para a futura pedagoga, foi uma experiência de autoconhecimento, persistência, paciência, superação e, sobretudo, educação do olhar. As mesmas qualidades que ela deverá empregar em sua atividade docente. E o seu processo de aprendizado terá sido muito semelhante à sua atividade como educadora – passo a passo, respeitando o tempo e a maturidade de cada aluno – se ela optar por lecionar numa escola de pedagogia Waldorf, linha de ensino criada pelo filósofo austríaco que dá nome à faculdade.

Inaugurada no início deste ano em São Paulo, a Faculdade Rudolf Steiner é a primeira do país a ter seu currículo de graduação em Pedagogia ampliado pela metodologia de ensino Waldorf. Às disciplinas tradicionais, acrescentam-se aulas de canto, escrita criativa, trabalhos manuais e danças brasileiras, que contribuem para a formação cultural e social dos futuros professores. “Para que ele tenha repertório e sensibilidade para o trabalho com crianças, o preparo deve ir além do cognitivo”, afirma Melanie Guerra, atual diretora da instituição. “A pedagogia Waldorf contempla a integralidade do ser humano”, conta Irceu Munhoz, sociólogo e pedagogo que leciona no 4º ano do Ensino Fundamental da Escola Waldorf Rudolf Steiner.

Fundada em 1956, a escola foi a primeira do país a fundamentar sua prática pedagógica na Antroposofia, linha de pensamento elaborada pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925). A Antroposofia integra os aspectos científico, artístico e espiritual da existência humana. No entanto, não é preciso comungar da visão espiritual do filósofo para tirar proveito desse modo diferente de ver a Educação. Criada no início do século 20, a Antroposofia aplicada à Pedagogia valoriza a individualidade do aluno, respeitando a fase de desenvolvimento e as necessidades que apresenta. Por isso, sobretudo enquanto a criança desenvolve o corpo físico, o aprendizado se dá por meio de vivências corporais, do brincar e do fazer. Computadores, celulares e outras tecnologias não entram antes do Ensino Médio. Longe do convencional, a ideia agradou até o criador da Apple, Steve Jobs, que matriculou seus filhos em uma escola Waldorf norte-americana, tendência seguida por outros executivos do Vale do Silício.

Na atividade na aula de Arte, a futura pedagoga Gisele aprendeu a persistir e a educar seu olhar

Crédito: Tuane Fernandes

Na Faculdade Rudolf Steiner, os conceitos da Antroposofia dividem espaço com outras metodologias de ensino, como em qualquer curso superior de Pedagogia. A grade curricular é aplicada com base em três grandes eixos formativos. Um deles é o da formação cultural, que abarca disciplinas como História, Psicologia, Sociologia e Filosofia. Outro é o da formação pedagógica, com disciplinas específicas de metodologia e didática para manejo de sala de aula, exercício da docência, além de planejamento e avaliação de processos educacionais. Por fim, há o eixo de formação Artística e Social, que abarca, por exemplo, aulas de música. A matriz curricular possui 73 disciplinas e 3.837 horas de formação, distribuídas ao longo de oito semestres. Com todas as suas particularidades, o curso de Pedagogia recebeu sinal verde do MEC ao ser aprovado com nota máxima em 2017. Vale lembrar que muitos dos princípios propostos pela Waldorf já são previstos como ideais pelo MEC, embora esbarrem em dificuldades de aplicação em larga escala em um sistema educacional tão desigual quanto o brasileiro. O direito ao brincar, por exemplo, está previsto nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, bem como o conceito de Educação em sua integralidade, que entende o cuidado como algo indissociável ao processo educativo.

A criação da faculdade atende também ao significativo crescimento de escolas Waldorf no país: entre 2000 e 2010 foram fundadas 43 escolas sob essa orientação pedagógica. De 2010 até agora já surgiram mais 108. Atualmente, 251 escolas seguem essa linha. Apesar da expansão, o acesso ainda tem custo elevado. Na Escola Waldorf Rudolf Steiner, por exemplo, as mensalidades custam entre 2 e 3 mil reais.

Na Faculdade Rudolf Steiner, o corpo docente inclui profissionais que se formaram em faculdades tradicionais e a diretora tem a expectativa de que pedagogos formados pela instituição também atuem em escolas que não sigam a metodologia Waldorf, “sobretudo nas públicas”.

Esse é o propósito da aluna Josielma Oliveira. Moradora do Jardim Horizonte Azul, no extremo sul da capital, descobriu sua vocação na Associação Comunitária Monte Azul, ONG antroposófica que a assistiu na infância. “Meu bairro é muito violento. Aos 13 anos, tinha diversos amigos já envolvidos com o crime. A Monte Azul foi a mãe que me acolheu”, diz. Na associação, fazia trabalhos manuais no contraturno da escola pública onde estudava. Hoje, é educadora na mesma instituição. Mas é na escola pública que Josielma se vê no futuro: “Sempre acreditei que a Educação é a melhor forma de mudar as coisas. Sou prova disso”, diz ela, que conta com bolsa de estudos integral (a mensalidade custa cerca de 1.500 reais)
para atingir seus objetivos.

Infância em foco

A Faculdade Rudolf Steiner compartilha com a escola Waldorf de mesmo nome o espaço de 16 mil metros quadrados no Alto da Boa Vista, onde há salas de aula, ateliês, biblioteca, auditório, além de um espaço de convivência arborizado. Na opinião da diretora da faculdade, a linha metodológica que completa um século em 2019 nunca foi tão atual. “A criança não está sendo atendida em suas necessidades”, lamenta. Para a educadora, a primeira infância sofre com muitas exigências e atividades, além de pouco espaço e liberdade para o desenvolvimento corporal. O resultado do confinamento, associado a uma sobrecarga de tarefas, é uma infância estressada e doente. Para Melanie, falta à sociedade maior compreensão do que é vital e do que é acessório para o desenvolvimento saudável de uma criança. Na concepção antroposófica, para a criança, vital é brincar.

Assim, numa escola Waldorf, há tempo e espaço para correr, pular e fantasiar. A alfabetização só se inicia ao caírem os primeiros dentes de leite, indicativo de que se atingiu mais um degrau de maturidade, de acordo com a Antroposofia. O aprendizado começa com a criança desenhando retas e curvas, de onde partem todas as letras, em um grande caderno sem pauta feito pela própria escola, que lhe permite liberdade de movimentos.

Na Educação Infantil, são valorizados os trabalhos manuais como base para as etapas posteriores de desenvolvimento e também o contato com a natureza. Além disso, as lousas são de giz e as pesquisas na biblioteca; entende-se que os meios eletrônicos desestimulam a criatividade. “A tecnologia muda todo dia. Mas quando você estimula a criatividade, prepara a criança para qualquer aprendizado tecnológico.”, diz Melanie.

O papel da escola na integração “entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivo/linguísticos e sociais da criança, entendendo que ela é um ser completo, total e indivisível”, já é uma orientação do MEC a qualquer instituição de Educação Infantil. A Rudolf Steiner se propõe a dar um passo além, lançando o mesmo olhar integral sobre a formação do professor.

COMO É UMA ESCOLA WALDORF?

Da organização da sala de aula às avaliações, as escolas Waldorf podem ser bem diferentes. Conheça, no quadro ao lado, algumas características encontradas nas unidades de ensino que seguem a metodologia

ESCOLAS TRADICIONAIS ESCOLAS WALDORF

APRENDIZADO

Aprendizado na primeira infância privilegia aspectos cognitivos

Ênfase para trabalhos manuais e artes (aprender pelo fazer)

 
ALFABETIZAÇÃO

Alfabetização cada
vez mais cedo
A alfabetização
ocorre após o
início da troca dos
dentes de leite


LIVROS DIDÁTICOS

Uso de cartilhas,
apostilas e livros
didáticos nas
primeiras séries
Não há livros ou
cartilhas até o
Ensino Médio


AVALIAÇÃO

Avaliação feita

por provas

Avaliação de forma continuada.

No Ensino Fundamental os “boletins” são relatórios descritivos com várias páginas

SALA DE AULA

Sala de aula com carteiras organizadas em fileiras desde o Ensino Fundamental Sala de aula reproduz uma casa na Educação Infantil.  No Fundamental, há bancos baixos em círculo e as crianças sentam-se em almofadas


TECNOLOGIA

Tecnologia está cada vez mais presente, por meio de recursos audiovisuais, lousa digital, tablets e computadores Uso da tecnologia
só começa no
Ensino Médio


PROFESSORES

Troca-se o professor
a cada ano

O professor de
classe acompanha o mesmo grupo de crianças do 1º ao 8º ano.

Há também docentes para disciplinas específicas, como
música, idiomas ou
trabalhos manuais


REUNIÕES

Pais são chamados a participar das reuniões
periódicas com
professores
As escolas são constituídas como associação sem fins lucrativos. Em geral, o pais participam por meio do Conselho de Pais e de várias comissões de trabalho


SALÁRIO

Salários do professor na Educação Infantil e Ensino Fundamental costumam ser mais baixos do que no
Ensino Médio
Não há diferenças significativas entre salários do professor no Infantil, Fundamental e Médio


INSTITUIÇÃO

Há instituições públicas ou privadas (particulares, comunitárias, confessionais ou filantrópicas) As escolas Waldorf são mantidas por uma associação sem fins lucrativos, que depende da contribuição dos
pais e de doadores