Compartilhe:

Jornalismo

BNDES investirá R$ 20 milhões para levar tecnologia para escolas

Programa de Inovação Educação Conectada do governo federal, que tem como objetivo levar, até 2024, internet de alta velocidade às escolas públicas

PorNOVA ESCOLA

27/04/2018

O ministro da Educação, Rossieli Soares, no lançamento do edital que integra o Programa de Inovação Educação Conectada, que tem recursos do BNDES  Foto: Divulgação

O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai disponibilizar R$ 20 milhões para apoiar projetos de incorporação de tecnologias digitais na educação pública. Lançado nesta sexta-feira (27/04), o edital integra o Programa de Inovação Educação Conectada do governo federal, que tem como objetivo levar, até 2024, internet de alta velocidade e assegurar a inserção tecnológica como ferramenta pedagógica a todas as escolas públicas.

Tendo o Ministério da Educação (MEC) como parceiro, o BNDES pretende atrair projetos em áreas como motivação de alunos e professores, evolução de indicadores educacionais dos projetos, melhorias na qualidade do ensino, equidade, gestão das redes e escolas e promoção de maior aprendizado escolar. 

O ministro da Educação, Rossieli Soares, afirmou que a intenção é testar modelos efetivos de uso da tecnologia na educação, para depois atuar no longo prazo com maior escala. “Essa etapa do edital do BNDES é muito importante para um acompanhamento de qualidade, testar políticas novas, de como funciona em uma escola ou em uma rede que deseja. É muito importante para que a gente não faça investimentos que depois não conseguem ser replicáveis. A gente precisa ter políticas que funcionem, que apoiem a educação naquilo que é fundamental. Não é a educação de qualquer jeito usando a tecnologia, é a tecnologia apoiando a educação. Essa deve ser a ordem, e mirando em resultados que apoiem efetivamente isso, ou seja, colocar experiências e testá-las”.

Os projetos devem ter por objetivo um dos quatro eixos estruturantes do programa: visão, formação, recursos educacionais digitais e infraestrutura, para aplicação em escolas públicas de ensino fundamental e médio. Os estados e o Distrito Federal devem manifestar interesse em apresentar propostas de projetos até o dia 15 de maio. Serão selecionados cinco projetos e outros cinco ficarão em uma lista de espera. O objetivo da iniciativa – cujo edital está disponível online – é fomentar o uso da tecnologia no cotidiano pedagógico das escolas públicas de educação básica e na gestão das redes de ensino. 

As operações serão contratadas até o dia 31 de dezembro, com coordenação do BNDES e suporte técnico do Centro para Inovação da Educação Brasileira (CIEB), que já atua em parceria com o MEC.

Sobre o programa Educação Conectada, o ministro disse que todos os municípios já estão com uma pessoa fazendo a formação com bolsa do ministério, “para discutir tecnologia, a criação de um planejamento, a visão de como usar a tecnologia na sala de aula da rede deles, como utilizar coletivamente, como pensar com os professores como a tecnologia pode usar”. São 6 mil pessoas passando pela formação, que tem investimento de R$ 15 milhões.

Segundo Soares, ainda em 2018 serão investidos R$ 100 milhões para levar a internet de alta velocidade a 22.500 escolas urbanas e 6.500 rurais, que já estão aptas a participar do processo e estão fazendo as adesões e entregando os planejamentos.

Quanto à Plataforma Integrada de Recursos Educacionais Digitais (RED), o ministro disse que está em processo de implantação e já conta com milhares de professores usuários e cerca de 40 parceiros que fornecem conteúdo. “A plataforma pega todos os parceiros que fazem uma curadoria e mantém nas suas plataformas. A plataforma integrada ajuda a conectar o professor com esses conteúdos que foram curados por essas instituições credenciadas no Ministério da Educação. São parceiros a Fundação Roberto Marinho, por exemplo. E o professor pode ter acesso ao plano de aula de outros professores, usar igual ou como referência.”

* com informações da Agência Brasil

continuar lendo