Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
10 de Abril de 2018 Imprimir
5 4 3 2 1

Como usar o Excel para ensinar Matemática

O editor de planilhas é um recurso poderoso para ensinar alunos de várias etapas

Por: Débora Garofalo
Professora usa recursos de tecnologia em suas aulas   Foto: Getty Images

Estamos em um momento em que falamos muito em novas tecnologias, esquecendo que, às vezes, é bom olhar também para os recursos que estão presentes em nossas vidas há mais tempo. Ao fazer isso, atribuímos novos olhares e sentidos a ferramentas conhecidas, reinventando maneiras de trabalhar com elas em sala de aula. 

LEIA MAIS   Como incentivar a leitura através da gamificação

Pensando na disciplina de Matemática, há inúmeros programas (softwares) e recursos que podem favorecer o processo de ensino e aprendizagem. O editor de planilhas Excel é um poderoso recurso para ensinar alunos de várias etapas.

O Excel é um programa de fácil utilização, que permite uma aprendizagem interativa e mais rica. As tabelas são compostas por linhas e colunas, em que cada coluna representa uma letra e a intersecção entre uma linha e uma coluna, chamada de célula, um convite para trabalhar com a Matemática. A aprendizagem cognitiva contribui para o desenvolvimento do raciocínio lógico e da criatividade dos alunos.

LEIA MAIS   8 passos para levar ferramentas digitais para sala de aula

Caption

O uso do Excel tem de ser dinâmico, desafiador e capaz de despertar o interesse e o crescimento intelectual. Nesse ponto, o programa permite inúmeras possibilidades de uso em diferentes níveis e ciclos de aprendizagem, com maior interação e colaboração. Além do computador, professores e alunos podem trabalhar com celulares e tablets, o que permite mobilidade e personalização do ensino através de estações por rotações. Essa ferramenta também abre espaço para:

  • Criar novas práticas de ensino, através de criações de gráficos, contas, simulações, em diferentes etapas do ensino.
  • Aprender com os erros, o que beneficia correções, compreensão e entendimento sobre o objeto de estudo.
  • Trabalhar em colaboração, priorizando o currículo e as suas várias características.
  • Aproximar o aluno de ferramentas utilizadas em diferentes segmentos da sociedade, possibilitando o trabalho com linguagem lógica e algoritmos.

Como usar na sala de aula

A seguir, eu deixo uma pequena sequência didática para professores que querem explorar o potencial do editor de planilhas, com possibilidade de trabalhar Matemática de forma interdisciplinar, dialogando com outras áreas do conhecimento como Língua Portuguesa e História.

Título: Profissão

Série: 9º ano   Duração: 2 aulas

Objetivos

  • Pesquisar, analisar, conhecer e posicionar-se diante da vida econômica trabalhista;
  • Trabalhar com estatística e funções;
  • Desenvolver e potencializar a habilidade de construção de gráficos;
  • Ler e interpretar dados das tabelas e gráficos;
  • Reflexão sobre a futura profissão;
  • Coleta e organização de dados da turma referente à profissão desejada.

Descrição

Realize uma sondagem e/ou diagnóstico inicial com a turma sobre a escolha futura de profissões.  Divida a turma em grupos, distribuindo diferentes anúncios de oferta de emprego. Para enriquecer o debate, traga artigos de opinião sobre algumas profissões.

Após a discussão nos grupos, promova a socialização sobre as conclusões acerca do entendimento dos anúncios, artigos, profissões, com questões como:

  • Conhece o programa Jovem Aprendiz?
  • Existe entre os estudantes, alguém que trabalhe?
  • Alguém conhece alguma pessoa que está com dificuldades de conseguir um emprego? Quais são as dificuldades enfrentadas?
  • Dê a sua opinião sobre a importância de qualificação profissional e do estudo.
  • Das profissões ofertadas nos anúncios, quais necessitam de maior instrução e quais necessitam de menor instrução?
  • Quais são as mais renumeradas? E quais são as menos remuneradas?
  • Quais são mais valorizadas pela sociedade? Por quê?
  • Quais são aquelas que não têm prestígio a sociedade, mas são necessárias?
  • Quais são as profissões que ao longo do tempo desapareceram? Quais são aquelas que correm esse mesmo risco?
  • Quais são as profissões lideradas por homens e mulheres?

Em roda de conversa, oralmente, os alunos deverão responder às questões. As mesmas deverão ser anotadas, antes da próxima roda de perguntas:

  • Após concluir o ensino médio, pretende ingressar na faculdade?
  • Que profissão deseja seguir?
  • Qual sua expectativa salarial para a profissão escolhida?
    - Até 1 salário mínimo;
    - De 1 a 3 salários mínimos;
    - De 3 a 5 salários mínimos;
    - De 5 a 7 salários mínimos;
    - Acima de 7 salários mínimos.

As informações deverão ser organizadas em forma de tabela, conforme exemplos abaixo:

Ingressos na Faculdade Total de alunos
Sim                                      
Não                                      

 

Profissão desejada Total de alunos
                                                                                         
                                                                                         

Expectativa Salarial (R$)

Total de alunos

Até 1 salário mínimo

                                    

De 2 a 3 salários mínimos

                                    

De 3 a 5 salários mínimos

                                    

De 5 a 7 salários mínimos

                                    

Acima de 7 salários mínimos

                                    


Na sequência, cada grupo, deverá fazer um gráfico que represente as tabelas. Com a turma, explore os tipos e compartilhe com os estudantes. A partir dessa aula, inicial, você pode dar outros desdobramentos à atividade, dependendo da intencionalidade e do objetivo da aula.  

E você, querido professor, como utiliza o editor de planilhas Excel em suas aulas? Compartilhe aqui nos comentários suas experiências, contribuindo para o trabalho de outros educadores.

Um abraço,

Débora Garofalo é professora da rede Municipal de Ensino de São Paulo, Formada em Letras e Pedagogia, Mestranda em Educação pela PUCSP, colunista de Tecnologias para o site da Nova Escola. 

 

Para assinaturas da revista impressa