Compartilhe:

Jornalismo

Entenda como utilizar dados de avaliações para o replanejamento contínuo

Ajustar o percurso das aulas conforme as evidências de aprendizagem e devolutivas dos alunos é essencial para acompanhar o ritmo e as necessidades das crianças e adolescentes

PorPaula Salas

30/03/2022

Crédito: Getty Images

Vamos imaginar um contexto antes da pandemia. A criança ter sido aprovada e seguir para o ano seguinte não era garantia de ter desenvolvido plenamente todas as aprendizagens previstas, não é mesmo? Por isso, o diagnóstico inicial era muito importante para planejar os próximos passos da turma. “Não podemos fazer nenhum tipo de planejamento que não parta de condições concretas da escola”, observa Rodrigo Fonseca, formador de professores, especialista em avaliação e sócio-diretor do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa, Ensino e Consultoria (Nipec). 

Em um ano como 2022, após praticamente dois anos de ensino remoto ou híbrido, ter esse panorama real do que as crianças e os adolescentes sabem (e não o que é esperado que dominem) é ainda mais fundamental. Ele deve ser o ponto de partida para o professor. Além desse diagnóstico inicial, o acompanhamento contínuo das aprendizagens vai contribuir com o trabalho docente. “Penso a avaliação como algo em movimento, que não se encerra na mensuração da nota, mas como uma forma de usar esses dados para pensar o replanejamento”, pontua Roberta Duarte, professora de História nos Anos Finais do Ensino Fundamental na EM Professor Sílvio Romero Vieira, em Jaboatão dos Guararapes (PE). 

Aprofunde-se na avaliação formativa

Durante o webinar, os participantes poderão compreender que um processo avaliativo coerente deve utilizar todas as funções da avaliação: diagnóstica, formativa e somativa. 


Para Aline Soares, coordenadora pedagógica
na rede particular de Belo Horizonte (MG), formadora e especialista em metodologias ativas, as avaliações devem ser contínuas e estar presentes na rotina da sala de aula. “O diagnóstico não é só no início, tem de ser o tempo todo. O aluno de fevereiro é muito diferente do de abril. A avaliação também não pode acontecer só no final [do bimestre ou trimestre] e nem precisa ser sempre por escrito. Temos outras formas de verificar as aprendizagens dos alunos”, explica. 

A especialista não exclui a possibilidade de fazer provas (também chamadas de avaliações formais ou somativas), pois elas trazem ao professor informações importantes. No entanto, para aprofundar e qualificar o diagnóstico, é interessante dar aos alunos outras formas de expressar o que sabem. 

Aprendizagens prioritárias e coleta de informações

Uma sugestão dada por Rodrigo é o professor verificar, entre os conteúdos e habilidades do ano anterior, quais são pré-requisitos para aquela turma. A investigação dessas aprendizagens pode ser feita por meio das avaliações diagnósticas, que vão mostrar o quanto os alunos já dominam determinado assunto ou se é necessário retomá-lo. “Temos de ter a clareza de que é impossível trabalhar com toda a Base Nacional Comum Curricular [no contexto atual de recomposição de aprendizagens]. É necessário fazer ajustes e escolher as prioridades”, complementa Aline.


Para construir o panorama da turma, Rodrigo aponta que o professor pode buscar o histórico do aluno e o que as avaliações do ano anterior e o diagnóstico inicial dizem sobre sua aprendizagem. Se for possível, ele deve conversar com os professores do ano anterior. Nesse trabalho de pesquisa, também é essencial ouvir os estudantes e o que eles têm a contar sobre isso. 

Todas essas informações possibilitam a análise e o desenho de um plano de ação. Aline recomenda elencar os pontos de atenção e os objetivos que serão utilizados como referência para fazer o planejamento das atividades. É importante que elas deem conta da diversidade da turma e permitam o avanço individual de cada criança e adolescente.

Nessa equação, especialmente neste ano, Rodrigo acrescenta a necessidade de ter um esforço de reconexão dos alunos, de fortalecimento dos vínculos do estudante com cada componente curricular e com a escola.

Estratégias diversas para acompanhamento das aprendizagens

Na rotina de planejamento de Roberta, ela parte da BNCC e das orientações da sua rede para aproximar essas habilidades da realidade dos alunos. Nesse processo, ela pensa como avaliar e as evidências que deseja coletar para verificar se o aluno alcançou os objetivos.

Ao propor uma atividade, ela vai além de olhar o domínio daquele conteúdo específico do seu componente. Roberta avalia o comportamento do aluno como um todo e a forma como ele se comunica. “Eu busco compreender se interpretaram bem [o enunciado], a leitura que fizeram do contexto histórico e da questão proposta e a escrita das respostas”, compartilha a educadora. No caso de propostas orais, ela verifica as conexões que os jovens fazem entre os conteúdos e a realidade em que estão inseridos. 

“Temos uma prova por bimestre, e também gosto de dar trabalhos colaborativos, propor discussões, momentos de análise durante a aula, cine debates, projetos ‘mão na massa’ e apresentações”, relata a professora. “Coleto as informações de diferentes formas, com linguagens variadas, para atender à diversidade de habilidades dos alunos.”

Replanejamento no ciclo de alfabetização

Bruno Victor, professor de 2º ano do Ensino Fundamental na EMEF Prof. Laurea Freire Brumana, em Marataízes (ES), conhece bem os impactos que o ensino remoto deixou na alfabetização das crianças. 

Em 2022, o educador encontrou uma turma ainda mais heterogênea. Por isso, ele incluiu no seu planejamento atividades diversificadas para garantir que todas as crianças avancem. “Tem de ter um olhar diferenciado para cada aluno, cada vivência”, destaca. Ele ressalta a importância de uma visão integral para entender o que está por trás das dificuldades. 

Mesmo com a alta demanda e a pressão pela recomposição das aprendizagens e a consolidação da alfabetização, o educador busca propor atividades dinâmicas. Por exemplo, as que exploram ambientes fora da sala de aula, para que a aprendizagem não se torne algo maçante. 

Durante o andamento das aulas, o professor entende que, às vezes, o planejamento não sai como o esperado e é preciso replanejar. Para avaliar se o que foi previsto deu certo, ele leva em consideração não apenas a correção da atividade, mas também como foi o momento da realização da proposta. Bruno fica atento às dúvidas que surgem e aos comentários e percepções das crianças.

Ensino híbrido e recomposição da aprendizagem

Conheça sugestões e entenda como utilizar modelos híbridos neste momento em que o foco está no processo de recomposição de aprendizagens


Dados também na Educação Infantil

Coletar informações para fazer o replanejamento não é algo exclusivo do Ensino Fundamental. Na Educação Infantil, Tamila Tavares, professora de crianças de cinco anos na EMEI Maria José de Souza e Silva, em Macapá (AP), também utiliza a estratégia para organizar as atividades dos pequenos. Saiba aqui como organizar um bom planejamento nesta etapa.

Na escola, é realizado um planejamento mensal, no qual ela e outras seis professoras definem os objetivos de aprendizagem e de desenvolvimento que querem trabalhar. Dentro desse plano de ação, ela define as atividades e experiências semanais que vai propor aos pequenos. “Eu gosto de refletir e perceber durante a semana se eles conseguiram desenvolver o objetivo que foi previsto”, explica a educadora. 

Apesar de ter uma série de metas para alcançar no mês, ela entende que tudo bem não conseguir dar conta de tudo, pois sua prática está centrada nas necessidades das crianças e não em completar o planejamento. Ou seja, é possível voltar e replanejar o trabalho ao se deparar com uma barreira que não estava prevista originalmente. “Foco no que elas precisam. A gente só avança se alcançar o objetivo”, ressalta a educadora, que reforça a importância de não ver o planejamento como organização para cumprir uma burocracia.  

A professora mantém um caderno de anotações em que registra tudo que observa em cada criança e o que elas trazem de percepções. “São anotações diárias para ir acompanhando a evolução da criança, conta. É a partir disso que ela faz a análise do tipo de atividades e experiências que precisam entrar no seu planejamento semanal. 

Parcerias para pensar caminhos

Nesse processo de investigação e construção de estratégias, Bruno destaca a importância de ter a gestão escolar como um apoio, alguém que também esteja olhando e pensando nas necessidades da turma. “O coordenador tem de andar junto com o professor, estar próximo para dar sugestões do que fazer”, defende. “O papel do coordenador é propor diagnósticos, fazer parte dessa construção. Acompanhar a proposta e a aplicação e estar junto para buscar estratégias e estabelecer metas, completa Aline. 

Apoiando a equipe no replanejamento contínuo

Saiba como elaborar um instrumento de planejamento que seja possível adaptar aos diversos contextos de ensino 


Além do apoio da coordenação, a parceria entre os docentes é essencial. No caso de Bruno, ele e os demais professores do 2º ano fazem um planejamento trimestral dos conteúdos e aprendizagens que vão trabalhar. Durante esse período, trocam experiências e dificuldades que estão enfrentando e compartilham atividades que consideram interessantes para os demais se inspirarem. Cada turma vai no seu ritmo e tem suas próprias atividades no decorrer das semanas, mas esse espaço de troca colabora para trilhar o percurso. 

No caso de Tamila, além do planejamento mensal que faz com um grupo de professoras, ela também tem duas colegas mais próximas com as quais conversa quase diariamente para compartilhar as experiências. “É uma parceria que ajuda muito. Quando uma tem um problema, as outras podem trazer uma experiência que funcionou. Essa troca é importante.”

Já Roberta, mesmo sem ter um planejamento coletivo, compartilha as evidências que coletou com os outros professores. Nessa troca, ela busca investigar se é um comportamento que os estudantes apresentaram na sua aula ou se é algo que também aparece nos demais componentes. Assim, a equipe pensa em projetos para garantir o avanço de cada turma em todos os componentes. 

Consultoria pedagógica: Priscila Almeida, professora e integrante do Time de Formadores da NOVA ESCOLA. 

Esta reportagem faz parte do Especial Planejamento. Confira aqui os demais conteúdos.

continuar lendo