Compartilhe:

Jornalismo

Sugestões para trabalhar a Matemática de forma interdisciplinar

Avance nas aprendizagens de mais de um componente de forma significativa

PorSelene Coletti

21/03/2022

Professora cria um jogo de Super Trunfo para estudar as Olimpíadas. Atividade também permitiu desenvolver habilidades matemáticas e contribuiu para a alfabetização dos pequenos. Foto: Acervo pessoal

Todos sabemos que a Matemática está presente em diferentes atividades que realizamos diariamente. Conseguir enxergá-la no cotidiano é um movimento que nos faz perceber a sua importância e a sua conexão nas diferentes áreas do conhecimento. Você costuma fazer esse exercício? Está aprendendo a gostar da Matemática e vê-la com outros olhos? Espero que sim!

E é essa ação que proponho na coluna de hoje: refletir como desenvolver as competências e habilidades matemáticas para além das aulas de Matemática. Para esse trabalho é essencial ter clareza dos seus objetivos e qual é a intencionalidade pedagógica por trás de cada atividade. Conectado a isto está o seu planejar e o registrar para poder analisar, posteriormente, se conseguiu alcançar o que havia previsto.


Já abordamos como os jogos utilizados na alfabetização podem ser trabalhados sob o viés da Matemática. O mesmo pode ser realizado para desenvolver outras áreas do conhecimento. Confira algumas sugestões.

Super Trunfo para trabalhar comparação de números

Começo compartilhando um jogo que a professora de Educação Física da minha escola fez durante as Olimpíadas e as Paralimpíadas no ano passado com os alunos dos Anos Iniciais. Remotamente, eles estudaram as mascotes, as curiosidades e algumas das modalidades da competição. No presencial produziram um jogo de cartas, tipo Super Trunfo, com desafios corporais e desenhos.

As crianças elaboraram, inclusive, as próprias regras do jogo. Cada carta possuía um número relativo a cada medalha. Aquele que tivesse o maior valor desafiava aquele que tivesse o menor. A professora jogava com a turma toda em círculo e a cada rodada era a vez de dois alunos. Que tal adaptar essa sugestão para tratar da Copa do Mundo que acontece no final de 2022? Deixo a sugestão!

Essa é uma forma bacana de trabalhar a habilidade de comparar números. Vale lembrar que transformar momentos do jogo em situações-problemas é sempre também muito enriquecedor.

Cursos gratuitos: Leve os jogos para a sala

A estratégia permite ter atividades mais dinâmicas. Entenda como usar os jogos na Educação Infantil e nas aulas de Língua Portuguesa, Matemática e História no Ensino Fundamental. São 90h de formação gratuita.


Outra colega, ao estudar verbetes sobre os animais, propôs que a turma elaborasse cartas de um Super Trunfo com as características dos bichinhos –utilizando informações de peso, comprimento, quantos anos vive, quantidade de filhotes – para trabalhar a comparação das medidas. Nesta atividade, foi possível aliar conteúdos de Língua Portuguesa (o verbete como gênero textual), Ciências (características dos animais) e a Matemática (comparação dos números). Baixe aqui um exemplo de como montar um baralho de Super Trunfo nessa proposta e as regras para jogar.

Como você pode ver, o estudo do conteúdo foi transformado em um jogo. Quer forma mais significativa para aprender? E isto pode ser transposto para qualquer área do conhecimento. É possível transformar o estudo de um tema em um jogo de cartas ou um de percurso. Dessa forma estará dando uma maior significação para os conteúdos e fortalecendo as habilidades matemáticas.

Alimentação saudável e Matemática

Ainda na área de Ciências, é possível aliar alimentação saudável e o tratamento da informação – explorando habilidades de realizar pesquisas, coletar e analisar dados.

Já fiz esta proposta com uma turma de 1º ano do Ensino Fundamental. Abordei a necessidade de uma boa alimentação, a turma pesquisou os hábitos alimentares de outra classe e transformaram os dados em tabelas e gráficos. No final, eles analisaram esses materiais e compartilharam com os colegas o que haviam descoberto. Confira neste artigo outras sugestões que podem servir de inspiração.

Matemática: mais dinamismo para as aulas com o GeoGebra

Utilizar ferramentas digitais abre possibilidades para avançar os conhecimentos matemáticos. Conheça o GeoGebra e como ele pode ser utilizado em sala de aula.


A geometria da Arte

Eis uma área do conhecimento na qual a Matemática está presente. Tarsila do Amaral, Piet Mondrian, Wassily Kandinsky, Romero Brito, Picasso são alguns exemplos de artistas que permitem trabalhar habilidades ligadas à geometria.

Nas obras de Van Gogh, por exemplo, estão em jogo noções de perspectiva, posições e ângulos – confira aqui uma proposta para explorar isso em sala de aula. Neste Nova Escola Box, conheça como a parceria entre a professora polivalente e a de Artes permitiu estudar medidas e malhas geométricas.

Projetos interdisciplinares

Depois de colocar em prática propostas que explorem conhecimentos de diferentes áreas, é possível pensar em projetos. As habilidades a serem trabalhadas dependerão do tema e, principalmente, da intencionalidade do professor.

Esse tipo de trabalho permite que os alunos pesquisem, investiguem, estabeleçam relações, sínteses, além de socializar as aprendizagens por meio de um produto final.

Meio ambiente: aprofunde-se no tema transversal da BNCC

Entenda o que incluir nas suas aulas e como desenvolver um trabalho de forma interdisciplinar.


Todas estas possibilidades colocam o aluno como protagonista da sua aprendizagem. Ele investiga, troca e discute com seus pares e com o professor, constrói e produz conhecimentos.

E você, como vem trabalhando as habilidades matemáticas? Já desenvolveu propostas interdisciplinares? Conte-me nos comentários.

Até a próxima!

Selene

Selene Coletti é professora há 40 anos na rede pública. Atuou na Educação Infantil e foi alfabetizadora por 10 anos, lecionando do 1º ao 5º ano. Em 2016, foi uma das ganhadoras do Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita,  com o projeto “Mapas do Tesouro que são um tesouro”, na área de Matemática. Foi diretora de escola e recebeu, em 2004, o Prêmio “Gestão para o Sucesso Escolar”, do Instituto Protagonistes/Fundação Lemann. Atuou como coordenadora do Núcleo de Formação Continuada e também como formadora da Educação Infantil na Prefeitura de Itatiba (SP). Atualmente é vice-diretora da EMEB Philomena Zupardo, em Itatiba.

continuar lendo