ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão Ler mais tarde

O que ensinar em Educação Física do 6º ao 9º ano

Cabe ao professor da disciplina lidar com as questões inerentes às transformações corporais dos adolescentes

por:
LM
Leonor Macedo
01 de Janeiro 2010 - 10:00

(Crédito: Marcos Rosa)

 

O ensino da Educação Física vai além da recreação e da cobrança pelo rendimento no esporte. Os conteúdos da disciplina contemplam as produções de nossa cultura corporal: o jogo, o esporte, a dança, a ginástica e a luta (conheça as expectativas de aprendizagem). A disciplina deixou de lado a ênfase no rendimento padronizado que a caracterizava até a década de 1980 para rever o conceito de corpo e considerar a dimensão cultural simbólica a ele inerente. Agora, considera o homem eminentemente cultural, contínuo construtor da cultura relacionada aos aspectos corporais. "Os documentos curriculares trouxeram para a Educação Física o universo do conhecimento cultural. O aluno continua praticando o esporte, mas vai além: entende seus contextos e sua criação", diz Caio Martins Costa, do Instituto Esporte e Educação, de São Paulo.

 

Trabalhando com corpos em fase de transformação

No Ensino Fundamental II, em plena puberdade, os jovens se aproximam. Iniciam-se os primeiros namoros e é importante que o professor esteja preparado para responder a questões que podem surgir. É nessa fase que aparecem tanto a vontade de exibir-se como a vergonha de expor seu corpo e seu desempenho.

"A sexualidade é um dos principais dilemas de nossa sociedade", afirma Caio. "O ideal é que boa parte das atividades seja praticada em conjunto, mas nem todas precisam ser misturadas. Há o momento em que os meninos vão querer jogar apenas com os meninos e as meninas com as meninas. Esses momentos também são importantes, embora a prática em conjunto seja essencial."

Outro ponto que pode surgir é o da participação de alunos com necessidades especiais. "O sistema educativo e os programas de ensino devem ser planejados e aplicados tendo em vista as diferenças, constituindo assim uma pedagogia centralizada no aluno, capaz de atender a qualquer tipo de necessidade de aprendizagem", explica Ricardo Jacó de Oliveira, da Universidade Católica de Brasília. É papel do professor também localizar as competências corporais em que alguns alunos apresentam dificuldades e promover atividades para que eles possam progredir. Deve ainda ajudar os jovens a ganhar consciência da cultura do movimento - as diferentes formas de movimento do homem, desde as mais simples e naturais, como caminhar, correr e pular, até as mais complexas possibilidades, como a ioga, a capoeira, a dramatização, as danças, as ginásticas, as lutas, os esportes e assim por diante (leia uma proposta de plano plurianual para a área). Veja a seguir quatro situações didáticas fundamentais para pensar o ensino de Educação Física para os alunos do 6º ao 9º ano.

 

1. Leitura de práticas corporais

LEITURA CORPORAL Assistir a jogos desperta a reflexão sobre a prática e o desejo por ampliar o conhecimento. (Crédito: Marcos Rosa)

 

O que é Pesquisa em diferentes mídias para identificar o que os alunos sabem sobre distintas práticas corporais.

Quando propor No início de sequências ou projetos didáticos.

O que o aluno aprende A refletir sobre o que pratica, o que conhece, como aprendeu e estabelecer uma abertura para a ampliação de conhecimentos. Identificar as práticas mais veiculadas pela mídia.

Como propor Por meio de vídeos ou da ida a eventos. O professor elabora um registro do que foi levantado pelo grupo e identifica o que precisa ser pesquisado sobre a prática em questão: origem, popularização, espaço ocupado na mídia e facilidade para a prática.

 

2. Fundamentos da fisiologia humana


FUNDAMENTOS Utilizando pôsteres e vídeos, a turma aprende sobre os efeitos do esporte no corpo. (Crédito: Marcos Rosa)

 

O que é Conhecimento sobre as diversas capacidades e habilidades motoras, os exercícios que as desenvolvem e como funcionam os órgãos do corpo durante a prática da atividade física.

Quando propor Como parte de sequências ou projetos didáticos.

O que o aluno aprende A refletir sobre o efeito da prática esportiva no corpo e relacionar saúde com atividade física.

Como propor Com o uso de pôsteres, vídeos e outros materiais audiovisuais, o professor deve aumentar os conhecimentos dos estudantes sobre o próprio corpo. As atividades físicas devem indicar os músculos trabalhados, as características aeróbicas e anaeróbicas etc.

 

3. Atividades esportivas práticas e teóricas

ATIVIDADES PRÁTICAS Jogos desenvolvem o espírito esportivo, com valorização das partidas e não do resultado. (Crédito: Marcos Rosa)

O que é Compreensão, análise e crítica de regras, técnicas e táticas de modalidades esportivas conforme definidas pelas federações internacionais, bem como o início da prática de diferentes modalidades (leia a sequência didática).

Quando propor Como parte de sequências ou projetos didáticos.

O que o aluno aprende A entender os processos históricos e socioculturais envolvidos no fenômeno esportivo e desenvolver o espírito esportivo, valorizando a competição e não o resultado.

Como propor Valendo-se de atividades coletivas e de acordo com os conteúdos que pretende desenvolver. Os alunos podem atuar em esquema de rodízio, executando diferentes atividades, experimentando diversas funções e assumindo distintos papéis. É preciso desenvolver a competição como um meio a ser utilizado para o aprendizado do respeito - tanto das regras quanto dos adversários -, para a valorização do trabalho em equipe, para a sociabilização e, principalmente, para adquirir humildade (a descoberta de que existem pessoas melhores em determinada prática) e autoestima (desenvolvimento contínuo, aprimoramento, sucesso e realização).

 

4. Pesquisa da cultura do movimento

PESQUISA DA CULTURA Conhecer as expressões de movimento ajuda a estabelecer relações com a prática pessoal. (Crédito: Marcos Rosa)

 

O que é Investigação e interpretação do universo lúdico da cultura do corpo, das dimensões socioculturais do lazer, das políticas públicas de esporte, do sentido ético-estético do corpo e das manifestações dançantes da cultura brasileira.

Quando propor Como parte de sequências e projetos didáticos.

O que o aluno aprende A conhecer as expressões da cultura de movimento e relacionar as próprias experiências corporais com elas.

Como propor Buscar informações sobre a história de vida de cada um, suas vinculações socioculturais e seus desejos para estabelecer uma relação entre a cultura de movimento e seu repertório. A análise de festas comunitárias, a observação das pessoas em parques e praças e do meio como os estudantes se deslocam até a escola (a pé, de bicicleta, skate etc.) estimulam estudos e reflexões.

 

Quer saber mais?

BIBLIOGRAFIA
Reinventando o Esporte: Possibilidades da Prática Pedagógica
, Sávio Assis, 234 págs. Ed. Autores Associados, tel.: (19) 3249-2800, 46 reais

ANÚNCIO
LEIA MAIS
MANTENEDORA